Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Biossegurança em pauta  

Biossegurança em pauta  

Pesquisa em ambientes NB3 e NB4 foi tema de capacitação internacional
Por Maíra Menezes20/05/2024 - Atualizado em 28/05/2024

O vice-diretor de Laboratórios de Referência, Ambulatórios e Coleções Biológicas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Marco Aurelio Pereira Horta, participou de um treinamento, nos Estados Unidos, sobre atividades em laboratórios com alto nível de biossegurança. 

A capacitação foi promovida pela agência reguladora de medicamentos e alimentos dos EUA (Food and Drug Administration, FDA) em parceria com a Universidade do Texas Ramo Médico (UTMB, na sigla em inglês). 

O curso ‘Alcançando Qualidade e Integridade de Dados em Laboratórios de Contenção Máxima’ ocorreu de 15 a 19 de abril, no Centro de Educação em Saúde da UTMB, em Gavelston, no Texas. 

A capacitação contou com docentes do FDA, UTMB e diversas agências governamentais, universidades e empresas dos Estados Unidos e Reino Unido. Com atividades teóricas e práticas, o treinamento contemplou regulamentação e procedimentos indicados com o objetivo de garantir a biossegurança e produzir estudos de alta qualidade em laboratórios com Nível de Biossegurança 3 e 4, com ênfase no nível máximo de contenção. 

“O curso abordou diferentes tipos de pesquisas, in vitro, com animais e análises clínicas. Discutimos protocolos utilizados, incluindo pontos positivos e negativos. A capacitação colocou em foco a importância da gestão de laboratórios NB3 e NB4 para o sucesso das pesquisas”, declarou Horta. 

Segundo o vice-diretor, a partir do treinamento, serão discutidas ações com vistas a aprimorar processos no IOC. 

“Muitas questões abordadas podem contribuir para fortalecer a biossegurança no Instituto, tendo como objetivo tanto a segurança quanto a qualidade das pesquisas. Esse treinamento foi um ponto de partida importante para avaliarmos a situação atual e aonde queremos chegar nos próximos anos", completou Horta.  

Pesquisa em ambientes NB3 e NB4 foi tema de capacitação internacional
Por: 
maira

O vice-diretor de Laboratórios de Referência, Ambulatórios e Coleções Biológicas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Marco Aurelio Pereira Horta, participou de um treinamento, nos Estados Unidos, sobre atividades em laboratórios com alto nível de biossegurança. 

A capacitação foi promovida pela agência reguladora de medicamentos e alimentos dos EUA (Food and Drug Administration, FDA) em parceria com a Universidade do Texas Ramo Médico (UTMB, na sigla em inglês). 

O curso ‘Alcançando Qualidade e Integridade de Dados em Laboratórios de Contenção Máxima’ ocorreu de 15 a 19 de abril, no Centro de Educação em Saúde da UTMB, em Gavelston, no Texas. 

A capacitação contou com docentes do FDA, UTMB e diversas agências governamentais, universidades e empresas dos Estados Unidos e Reino Unido. Com atividades teóricas e práticas, o treinamento contemplou regulamentação e procedimentos indicados com o objetivo de garantir a biossegurança e produzir estudos de alta qualidade em laboratórios com Nível de Biossegurança 3 e 4, com ênfase no nível máximo de contenção. 

“O curso abordou diferentes tipos de pesquisas, in vitro, com animais e análises clínicas. Discutimos protocolos utilizados, incluindo pontos positivos e negativos. A capacitação colocou em foco a importância da gestão de laboratórios NB3 e NB4 para o sucesso das pesquisas”, declarou Horta. 

Segundo o vice-diretor, a partir do treinamento, serão discutidas ações com vistas a aprimorar processos no IOC. 

“Muitas questões abordadas podem contribuir para fortalecer a biossegurança no Instituto, tendo como objetivo tanto a segurança quanto a qualidade das pesquisas. Esse treinamento foi um ponto de partida importante para avaliarmos a situação atual e aonde queremos chegar nos próximos anos", completou Horta.  

Edição: 
Raquel Aguiar

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)