Fiocruz
Timbrado Oswaldo Cruz

Dia 11 de fevereiro de 1917. Há cem anos, o Brasil perdia Oswaldo Gonçalves Cruz, o grande cientista, médico e sanitarista, apaixonado por aquilo que os olhos humanos enxergam apenas dotados de um microscópio e pela possibilidade de agir – não sem dificuldades – sobre a realidade da saúde pública. À frente de seu tempo? Talvez. Mas capaz de promover transformações imediatas no país. Em lugar de um vazio, um século depois de sua morte, Oswaldo deixa inspiração para gerações de brasileiros dedicados, como ele foi, ao ideal de "fé eterna na sciencia".

Nenhuma bússola permite separar o homem do mito. A biografia, já largamente explorada, deste cientista notável acumula as vitórias sobre a peste bubônica, a febre amarela e a varíola, bem como a fundação, em Manguinhos, da medicina experimental no país – numa lógica de pesquisa associada ao ensino que ainda hoje pauta as atividades do Instituto e da Fundação Oswaldo Cruz. O projeto "Oswaldo Inspira: 100 anos sem Oswaldo Cruz (1872-1917)", criado pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) em homenagem ao seu patrono, procura trazer um mosaico de aspectos que permitam, um século mais tarde, nos aproximar da figura multifacetada do cientista.

O filho devotado, o pai e marido amoroso. O menino tímido, que concluiu a faculdade de medicina aos 20 anos. O "mestre", como os discípulos de primeira hora o tratavam. O amante de doces, que guardava guloseimas no gabinete em meio aos livros. O gestor ousado capaz de medidas impopulares, que não esmorecia frente à difamação e rumava ao túmulo do pai quando precisava tomar decisões importantes. O chefe que pedia com voz branda e antecipava as necessidades daqueles que estavam à sua volta. O paciente de uma doença renal crônica que abreviou sua vida aos 44 anos de idade – a mesma que vitimara seu pai aos 47 anos, de forma igualmente precoce. Como principais fontes, foram priorizados os relatos de Carlos Chagas, Ezequiel Dias, Salles Guerra, Clementino Fraga e outros que conviveram diretamente com o cientista.

Este projeto tem a alegria de acolher documentos de valor singular, gentilmente disponibilizados pela Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). Em especial, vem a público um acervo inédito que estava sob guarda do neto de Oswaldo Cruz, o também médico Eduardo Oswaldo Cruz, falecido recentemente: os álbuns que mostram a paixão do cientista pela fotografia.

------Infográficos------
Oswaldo Cruz - Fé eterna na sciencia
GALERIAS
DE IMAGEM
Galeria Álbum de viagem - Oswaldo Inspira Álbum de viagem Galeria Registros do cotidiano - Oswaldo Inspira Registros do cotidiano
                                                                                                                          

Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz)
Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - Rio de Janeiro - RJ - Brasil