Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.

vw_cabecalho_novo

Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Macacos: os sentinelas da febre amarela

Macacos: os sentinelas da febre amarela

Primatas não transmitem o agravo e são considerados peças-chave no monitoramento da doença
Por Jornalismo IOC02/03/2018 - Atualizado em 06/01/2023

O aumento do número de casos humanos de febre amarela silvestre tem sido acompanhado por outra triste estatística: a mortandade de macacos, vítimas de violência e envenenamentos.

Além de ser crime ambiental, matar esses animais prejudica - e muito - o controle da doença. O desaparecimento desses mamíferos provoca um desequilíbrio ambiental e leva os mosquitos transmissores do gênero Haemagogus e Sabethes, que habitam o alto das árvores e têm preferência por picar macacos, a voar mais baixo e procurar uma fonte alternativa de alimentação.

"Com isso, pessoas que adentram as matas para atividades de trabalho e lazer ficam mais sujeitas a picadas", explica o veterinário e entomologista Ricardo Lourenço, chefe do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Assista e compartilhe a videorreportagem sobre a importância dos macacos no combate à febre amarela:


Sensíveis ao vírus da febre amarela, os primatas também são vítimas da doença: eles adoecem e, frequentemente, morrem.

O óbito de macacos em determinada área é um dos principais indícios de circulação do vírus em regiões de matas e florestas, servindo como um alerta para as autoridades de saúde adotarem medidas de prevenção, com a vacinação dos moradores da região.

"Os macacos podem ser considerados verdadeiros sentinelas para o sistema de vigilância em saúde", enfatiza Ricardo, acrescentando que a única forma de transmissão do vírus é pela picada de mosquitos - não há transmissão diretamente a partir dos macacos.

Bugios e saguis são especialmente sensíveis ao vírus

Os macacos que habitam a América do Sul costumam adoecer e morrer em curto período de tempo após a infecção pelo vírus da febre amarela. Ricardo explica que o contato das espécies de primatas sul-americanos com o vírus é relativamente recente, datando de pouco mais de 400 anos.

"Esse é o período em que se imagina que o vírus da febre amarela chegou ao continente americano vindo da África", explica Lourenço.

Ele relata que o vírus chegou à América do Sul em ambientes urbanos, trazido por pessoas infectadas. Depois de uma série de epidemias em ambientes urbanos, foi estabelecido o ciclo silvestre de transmissão do vírus.

"Já na África, os macacos evoluíram junto com o vírus da febre amarela e, por isso, são mais resistentes a ele", destaca. A sensibilidade dos primatas ao vírus varia entre as espécies.

"Os bugios ou guaribas, como são conhecidos na Amazônia, são extremamente sensíveis. É provável que quase todos morram quando infectados. Os saguis também são muito sensíveis. Já os macacos-prego até chegam a adoecer, mas dificilmente chegam a óbito com a doença", enumera o especialista.

O pesquisador reforça que o combate à febre amarela envolve duas medidas principais: a vacinação de pessoas nas áreas de risco para transmissão do vírus, para evitar a propagação do patógeno, e o combate a criadouros do mosquito Aedes aegypti, minimizando o risco de uma potencial reurbanização da febre amarela - o último registro da transmissão urbana no país ocorreu no Acre, em 1942.

Primatas não transmitem o agravo e são considerados peças-chave no monitoramento da doença
Por: 
jornalismo

O aumento do número de casos humanos de febre amarela silvestre tem sido acompanhado por outra triste estatística: a mortandade de macacos, vítimas de violência e envenenamentos.

Além de ser crime ambiental, matar esses animais prejudica - e muito - o controle da doença. O desaparecimento desses mamíferos provoca um desequilíbrio ambiental e leva os mosquitos transmissores do gênero Haemagogus e Sabethes, que habitam o alto das árvores e têm preferência por picar macacos, a voar mais baixo e procurar uma fonte alternativa de alimentação.

"Com isso, pessoas que adentram as matas para atividades de trabalho e lazer ficam mais sujeitas a picadas", explica o veterinário e entomologista Ricardo Lourenço, chefe do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Assista e compartilhe a videorreportagem sobre a importância dos macacos no combate à febre amarela:

Sensíveis ao vírus da febre amarela, os primatas também são vítimas da doença: eles adoecem e, frequentemente, morrem.

O óbito de macacos em determinada área é um dos principais indícios de circulação do vírus em regiões de matas e florestas, servindo como um alerta para as autoridades de saúde adotarem medidas de prevenção, com a vacinação dos moradores da região.

"Os macacos podem ser considerados verdadeiros sentinelas para o sistema de vigilância em saúde", enfatiza Ricardo, acrescentando que a única forma de transmissão do vírus é pela picada de mosquitos - não há transmissão diretamente a partir dos macacos.

Bugios e saguis são especialmente sensíveis ao vírus

Os macacos que habitam a América do Sul costumam adoecer e morrer em curto período de tempo após a infecção pelo vírus da febre amarela. Ricardo explica que o contato das espécies de primatas sul-americanos com o vírus é relativamente recente, datando de pouco mais de 400 anos.

"Esse é o período em que se imagina que o vírus da febre amarela chegou ao continente americano vindo da África", explica Lourenço.

Ele relata que o vírus chegou à América do Sul em ambientes urbanos, trazido por pessoas infectadas. Depois de uma série de epidemias em ambientes urbanos, foi estabelecido o ciclo silvestre de transmissão do vírus.

"Já na África, os macacos evoluíram junto com o vírus da febre amarela e, por isso, são mais resistentes a ele", destaca. A sensibilidade dos primatas ao vírus varia entre as espécies.

"Os bugios ou guaribas, como são conhecidos na Amazônia, são extremamente sensíveis. É provável que quase todos morram quando infectados. Os saguis também são muito sensíveis. Já os macacos-prego até chegam a adoecer, mas dificilmente chegam a óbito com a doença", enumera o especialista.

O pesquisador reforça que o combate à febre amarela envolve duas medidas principais: a vacinação de pessoas nas áreas de risco para transmissão do vírus, para evitar a propagação do patógeno, e o combate a criadouros do mosquito Aedes aegypti, minimizando o risco de uma potencial reurbanização da febre amarela - o último registro da transmissão urbana no país ocorreu no Acre, em 1942.

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)