Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.

vw_cabecalho_novo

Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Estudo que identificou a causa da morte de sul-africano em 2008 recebe prêmio

Estudo que identificou a causa da morte de sul-africano em 2008 recebe prêmio

Investigação realizada pelo serviço de referência do IOC, que indicou febre maculosa como causa da morte, é reconhecida pela comunidade científica internacional
Por Jornalismo IOC16/04/2010 - Atualizado em 10/12/2019

Referência Nacional para Rickettsioses, o Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi premiado durante a 14ª edição do Congresso Internacional de Doenças Infecciosas, realizado no último mês de março, nos Estados Unidos. O trabalho contemplado relata a identificação da causa do óbito de William Charles Erasmus, sul-africano de 53 anos, morto em novembro de 2008 no Rio de Janeiro com um quadro de febre hemorrágica. O caso teve grande repercussão, já que envolveu suspeita de infecção por arenavírus (vírus transmitido pela urina ou fezes de roedores contaminados, que provoca febre alta, calafrios, cansaço, vermelhidão no corpo e sangramento). O resultado da investigação indicou febre maculosa – doença causada por uma bactéria do gênero Rickettsia e transmitida por carrapatos – como causa da morte. Recentemente, o Laboratório também recebeu menção honrosa no XLVI Congresso de Medicina Tropical (MedTrop 2010), com trabalho desenvolvido com base no banco de dados do laboratório, fundamental para a vigilância de doenças causadas por rickettsioses no Brasil.

Gutemberg Brito

 

 Os prêmios reforçam a importância da pesquisa e da vigilância na área

“Além do reconhecimento ao trabalho desenvolvido, os prêmios são importantes porque reforçam a importância da pesquisa e da vigilância na área e chamam atenção para o fato de que a informação é essencial para a prevenção dessas doenças negligenciadas”, ressalta a pesquisadora Elba Lemos, chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do IOC, que conduziu a investigação. Segundo a pesquisadora, a febre maculosa é um problema em todo o mundo. “Ainda este ano, milhares de pessoas estarão na África do Sul para acompanhar a Copa do Mundo. É imprescindível que as empresas de turismo, sob a coordenação do Ministério da Saúde, apresentem programas de orientação e medidas que possam reduzir a ocorrência de doenças como rickettsioses, em especial a febre maculosa, cuja importância e frequência como doença do viajante nas últimas décadas em turistas que retornam da África do Sul têm superado as doenças infecciosas como dengue e febre tifóide”, alerta a pesquisadora.

Gutemberg Brito

 

 O trabalho desenvolvido com base no banco de dados do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do IOC também foi premiado


Doença infecciosa febril aguda, a febre maculosa pode causar desde formas assintomáticas até formas graves, com elevada taxa de letalidade, e é transmitida ao homem exclusivamente pelo carrapato infectado. No Brasil, o principal reservatório da Rickettsia rickettsii é o carrapato da espécie Amblyomma cajennense, conhecido como carrapato-estrela. Não há risco de transmissão pessoa a pessoa. Para que a infecção ocorra, o carrapato precisa ficar aderido à pele por algumas horas (de 4 a 6 horas). A transmissão da bactéria também pode ocorrer no momento do esmagamento do carrapato, se houver lesões na pele. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, que em geral dura 18 meses. No Brasil, o primeiro caso foi identificado em 1929. De 1997 a 2008, foram registrados 641 casos confirmados no país. Em 2007 e 2008, houve 136 casos, sobretudo em Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais. Nestes dois últimos anos, o Rio de Janeiro registrou 17 casos.


 Renata Fontoura

16/04/10

.

Investigação realizada pelo serviço de referência do IOC, que indicou febre maculosa como causa da morte, é reconhecida pela comunidade científica internacional
Por: 
jornalismo

Referência Nacional para Rickettsioses, o Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi premiado durante a 14ª edição do Congresso Internacional de Doenças Infecciosas, realizado no último mês de março, nos Estados Unidos. O trabalho contemplado relata a identificação da causa do óbito de William Charles Erasmus, sul-africano de 53 anos, morto em novembro de 2008 no Rio de Janeiro com um quadro de febre hemorrágica. O caso teve grande repercussão, já que envolveu suspeita de infecção por arenavírus (vírus transmitido pela urina ou fezes de roedores contaminados, que provoca febre alta, calafrios, cansaço, vermelhidão no corpo e sangramento). O resultado da investigação indicou febre maculosa – doença causada por uma bactéria do gênero Rickettsia e transmitida por carrapatos – como causa da morte. Recentemente, o Laboratório também recebeu menção honrosa no XLVI Congresso de Medicina Tropical (MedTrop 2010), com trabalho desenvolvido com base no banco de dados do laboratório, fundamental para a vigilância de doenças causadas por rickettsioses no Brasil.

Gutemberg Brito

 

 Os prêmios reforçam a importância da pesquisa e da vigilância na área

“Além do reconhecimento ao trabalho desenvolvido, os prêmios são importantes porque reforçam a importância da pesquisa e da vigilância na área e chamam atenção para o fato de que a informação é essencial para a prevenção dessas doenças negligenciadas”, ressalta a pesquisadora Elba Lemos, chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do IOC, que conduziu a investigação. Segundo a pesquisadora, a febre maculosa é um problema em todo o mundo. “Ainda este ano, milhares de pessoas estarão na África do Sul para acompanhar a Copa do Mundo. É imprescindível que as empresas de turismo, sob a coordenação do Ministério da Saúde, apresentem programas de orientação e medidas que possam reduzir a ocorrência de doenças como rickettsioses, em especial a febre maculosa, cuja importância e frequência como doença do viajante nas últimas décadas em turistas que retornam da África do Sul têm superado as doenças infecciosas como dengue e febre tifóide”, alerta a pesquisadora.

Gutemberg Brito

 

 O trabalho desenvolvido com base no banco de dados do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do IOC também foi premiado



Doença infecciosa febril aguda, a febre maculosa pode causar desde formas assintomáticas até formas graves, com elevada taxa de letalidade, e é transmitida ao homem exclusivamente pelo carrapato infectado. No Brasil, o principal reservatório da Rickettsia rickettsii é o carrapato da espécie Amblyomma cajennense, conhecido como carrapato-estrela. Não há risco de transmissão pessoa a pessoa. Para que a infecção ocorra, o carrapato precisa ficar aderido à pele por algumas horas (de 4 a 6 horas). A transmissão da bactéria também pode ocorrer no momento do esmagamento do carrapato, se houver lesões na pele. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, que em geral dura 18 meses. No Brasil, o primeiro caso foi identificado em 1929. De 1997 a 2008, foram registrados 641 casos confirmados no país. Em 2007 e 2008, houve 136 casos, sobretudo em Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais. Nestes dois últimos anos, o Rio de Janeiro registrou 17 casos.



 Renata Fontoura

16/04/10

.

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)