Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Contribuição no planejamento nacional para resposta às arboviroses

Contribuição no planejamento nacional para resposta às arboviroses

Especialistas em vetores e em comunicação participaram de oficina do Ministério da Saúde com foco na elaboração de um plano dedicado a dengue, Zika, chikungunya e arboviroses emergentes
Por Maíra Menezes22/05/2024 - Atualizado em 19/06/2024

Especialistas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) participaram da ‘Oficina Internacional sobre Arboviroses ‘, promovida pelo Ministério da Saúde para elaborar o plano de enfrentamento da dengue, chikungunya, Zika e febre Oropouche para o verão 2024/2025.  

Realizado em Brasília, nos dias 15 e 16 de maio, o evento reuniu mais de cem especialistas do Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), secretarias estaduais e municipais de saúde e instituições de ensino e pesquisa. 

Na abertura da oficina, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, destacou importância do trabalho interfederativo no enfrentamento das arboviroses. Foto: Walterson Rosa/MS

As discussões foram divididas em cinco eixos temáticos, com o objetivo de subsidiar o planejamento de estratégias para combater os agravos no próximo ciclo epidêmico, que ocorre sazonalmente no verão: controle vetorial e novas tecnologias; manejo clínico e organização dos serviços; preparação e resposta às emergências; vigilância; e comunicação e mobilização social.  

O grupo de trabalho sobre controle vetorial e novas tecnologias teve participação do vice-diretor de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do IOC, Ademir Martins, e das pesquisadoras do Instituto, Ana Maria Bispo de Filippis, chefe substituta do Laboratório de Arbovírus e Vírus Hemorrágicos, e Nildimar Honório, do Laboratório de Interações Vírus-Hospedeiros. 

Além de participar dos debates, Ademir apresentou palestra sobre ‘Perfil de resistência do Aedes aegypti – recomendações de inseticidas para os próximos 5 anos’.  

No grupo de trabalho sobre comunicação e mobilização social, a responsável pelo Departamento de Jornalismo e Comunicação do IOC, Raquel Aguiar, coordenou as discussões a pedido do Ministério da Saúde.  

A pesquisadora do Laboratório de Medicina Experimental e Saúde do Instituto, Denise Valle, apresentou a estratégia ‘10 minutos contra a dengue’, desenvolvida pelo IOC, a partir de parceria entre pesquisadores e profissionais de comunicação, para compartilhar estratégias de combate aos criadouros do mosquito Aedes, vetor da dengue, chikungunya e Zika. 

Especialistas em vetores e em comunicação participaram de oficina do Ministério da Saúde com foco na elaboração de um plano dedicado a dengue, Zika, chikungunya e arboviroses emergentes
Por: 
maira

Especialistas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) participaram da ‘Oficina Internacional sobre Arboviroses ‘, promovida pelo Ministério da Saúde para elaborar o plano de enfrentamento da dengue, chikungunya, Zika e febre Oropouche para o verão 2024/2025.  

Realizado em Brasília, nos dias 15 e 16 de maio, o evento reuniu mais de cem especialistas do Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), secretarias estaduais e municipais de saúde e instituições de ensino e pesquisa. 

Na abertura da oficina, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, destacou importância do trabalho interfederativo no enfrentamento das arboviroses. Foto: Walterson Rosa/MS

As discussões foram divididas em cinco eixos temáticos, com o objetivo de subsidiar o planejamento de estratégias para combater os agravos no próximo ciclo epidêmico, que ocorre sazonalmente no verão: controle vetorial e novas tecnologias; manejo clínico e organização dos serviços; preparação e resposta às emergências; vigilância; e comunicação e mobilização social.  

O grupo de trabalho sobre controle vetorial e novas tecnologias teve participação do vice-diretor de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do IOC, Ademir Martins, e das pesquisadoras do Instituto, Ana Maria Bispo de Filippis, chefe substituta do Laboratório de Arbovírus e Vírus Hemorrágicos, e Nildimar Honório, do Laboratório de Interações Vírus-Hospedeiros. 

Além de participar dos debates, Ademir apresentou palestra sobre ‘Perfil de resistência do Aedes aegypti – recomendações de inseticidas para os próximos 5 anos’.  

No grupo de trabalho sobre comunicação e mobilização social, a responsável pelo Departamento de Jornalismo e Comunicação do IOC, Raquel Aguiar, coordenou as discussões a pedido do Ministério da Saúde.  

A pesquisadora do Laboratório de Medicina Experimental e Saúde do Instituto, Denise Valle, apresentou a estratégia ‘10 minutos contra a dengue’, desenvolvida pelo IOC, a partir de parceria entre pesquisadores e profissionais de comunicação, para compartilhar estratégias de combate aos criadouros do mosquito Aedes, vetor da dengue, chikungunya e Zika. 

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)