Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.

vw_cabecalho_novo

Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Especial Ciência e Criança: O papel dos museus de ciência na divulgação

Especial Ciência e Criança: O papel dos museus de ciência na divulgação

Atividades debateram sobre a educação não-formal e divertida de ciências para crianças e pré-adolescentes
Por Jornalismo IOC27/09/2007 - Atualizado em 29/09/2022

As primeiras atividades do seminário "Ciência & criança: a divulgação científica para o público infanto-juvenil", no dia 24 de setembro, reuniram profissionais de Barcelona, São Paulo e Rio de Janeiro para o debate sobre a educação não-formal e divertida de ciências para crianças e pré-adolescentes.

O diretor do Museu Cosmo de La Caixa, em Barcelona, Jorge Wagensberg, apresentou a palestra "Nuevos espacios de ciência para niños" e descreveu a experiência da instituição, que em 1988 criou o primeiro ambiente museológico voltado exclusivamente para o público infantil – a sala Click, que recebe crianças de até 6 anos.

“Um museu é uma concentração de realidades construídas a partir de estímulos, conversação e compreensão. A sala Click é uma concentração de fenômenos, de estímulos que incitam a conversação e a produção de sentidos. A partir desta experiência, surgiu também a sala Flash, para crianças de 6 a 11 anos”, Wagensberg explicou.

Jorge Wagensberg relatou a experiência do Museu Cosmo de La Caixa, em Barcelona. Foto: Gutemberg Brito

Segundo o especialista, é fundamental preparar nos museus espaços diferenciados de acordo com a com faixa etária.

“Museologicamente, uma criança de 11 anos pode visitar sozinha galerias e exposições e deve por isso receber atendimento diferenciado. Infantilizar o ambiente, por exemplo, é um erro recorrente. Para crianças mais crescidas, a estética de desenho animado confere caráter fantasioso às informações, comprometendo a credibilidade das atividades”.

Para garantir o sucesso de uma iniciativa de divulgação científica para o público infanto-juvenil, Wagensberg ressaltou a  observação de crianças e adolescentes fora de museus. Um exemplo desta estratégia é uma instalação do Museu Cosmo de La Caixa, que dá aos visitantes-mirins a oportunidade de alterar o curso de um rio através da arrumação de pedras e sedimentos de diversos tipos. A atividade é inspirada no interesse natural de crianças por brincadeiras que envolvem água e tem grande aceitação de público.

Martha Marandino (à esquerda), Isabel Mendes, Douglas Falcão e Denise Stuard apresentaram suas experiências em divulgação científica para o público infanto-juvenil na mesa-redonda Uma visita aos museus. Foto: Gutemberg Brito

Após a palestra, a mesa-redonda "Uma visita aos museus", coordenada por Isabel Mendes, do Museu da Vida, corroborou a apresentação de Wagensberg.

Martha Marandino, da Universidade de São Paulo (USP), ressaltou a necessidade de se definir exposições e roteiros de visitação com características distintas, atendendo interesses específicos de acordo com o público a ser atingido.

Martha destacou a evolução das mediações feitas por monitores – hoje mais propositivas e interrogativas. O físico Douglas Falcão, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), no Rio de Janeiro, concorda.

“É preciso adequar forma e conteúdo ao público infantil. Esse é o papel do mediador: saber para quem falar e de que forma”, sintetizou.

Douglas apresentou também diferentes formas de apreensão do conhecimento identificadas entre os visitantes-mirins.

A partir desta tipologia da interpretação – que inclui a representação descritiva, divergente, emotiva e avaliativa da atividade – Douglas propõe estilos de aprendizagem adequados a cada perfil.

Para ele, porém, o maior desafio dos profissionais é inserir no cotidiano dos museus os resultados de avaliações.

Denise Studart, do Museu da Vida, apresentou os resultados de pesquisa realizada durante seu doutorado na Inglaterra que avalia a percepção do público infantil de museus através de desenhos representativos das atividades desenvolvidas.

“Desenhos são uma importante fonte de informação sobre o pensamento infantil, pois permitem que a criança expresse suas impressões livremente, integrando os contextos pessoal, social e físico da visita”, Denise argumentou.

A pesquisa, que combinou a análise de 120 desenhos a entrevistas com 150 crianças com idade entre 7 e 11 anos, permitiu a identificação dos aspectos mais apreciados pelo público, como aplicação de conhecimentos de ciência e tecnologia no dia-a-dia, e a associação entre peças e atividades de diferentes exposições em uma mesma representação.

Bel Levy

Atividades debateram sobre a educação não-formal e divertida de ciências para crianças e pré-adolescentes
Por: 
jornalismo

As primeiras atividades do seminário "Ciência & criança: a divulgação científica para o público infanto-juvenil", no dia 24 de setembro, reuniram profissionais de Barcelona, São Paulo e Rio de Janeiro para o debate sobre a educação não-formal e divertida de ciências para crianças e pré-adolescentes.

O diretor do Museu Cosmo de La Caixa, em Barcelona, Jorge Wagensberg, apresentou a palestra "Nuevos espacios de ciência para niños" e descreveu a experiência da instituição, que em 1988 criou o primeiro ambiente museológico voltado exclusivamente para o público infantil – a sala Click, que recebe crianças de até 6 anos.

“Um museu é uma concentração de realidades construídas a partir de estímulos, conversação e compreensão. A sala Click é uma concentração de fenômenos, de estímulos que incitam a conversação e a produção de sentidos. A partir desta experiência, surgiu também a sala Flash, para crianças de 6 a 11 anos”, Wagensberg explicou.

Jorge Wagensberg relatou a experiência do Museu Cosmo de La Caixa, em Barcelona. Foto: Gutemberg Brito

Segundo o especialista, é fundamental preparar nos museus espaços diferenciados de acordo com a com faixa etária.

“Museologicamente, uma criança de 11 anos pode visitar sozinha galerias e exposições e deve por isso receber atendimento diferenciado. Infantilizar o ambiente, por exemplo, é um erro recorrente. Para crianças mais crescidas, a estética de desenho animado confere caráter fantasioso às informações, comprometendo a credibilidade das atividades”.

Para garantir o sucesso de uma iniciativa de divulgação científica para o público infanto-juvenil, Wagensberg ressaltou a  observação de crianças e adolescentes fora de museus. Um exemplo desta estratégia é uma instalação do Museu Cosmo de La Caixa, que dá aos visitantes-mirins a oportunidade de alterar o curso de um rio através da arrumação de pedras e sedimentos de diversos tipos. A atividade é inspirada no interesse natural de crianças por brincadeiras que envolvem água e tem grande aceitação de público.

Martha Marandino (à esquerda), Isabel Mendes, Douglas Falcão e Denise Stuard apresentaram suas experiências em divulgação científica para o público infanto-juvenil na mesa-redonda Uma visita aos museus. Foto: Gutemberg Brito

Após a palestra, a mesa-redonda "Uma visita aos museus", coordenada por Isabel Mendes, do Museu da Vida, corroborou a apresentação de Wagensberg.

Martha Marandino, da Universidade de São Paulo (USP), ressaltou a necessidade de se definir exposições e roteiros de visitação com características distintas, atendendo interesses específicos de acordo com o público a ser atingido.

Martha destacou a evolução das mediações feitas por monitores – hoje mais propositivas e interrogativas. O físico Douglas Falcão, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), no Rio de Janeiro, concorda.

“É preciso adequar forma e conteúdo ao público infantil. Esse é o papel do mediador: saber para quem falar e de que forma”, sintetizou.

Douglas apresentou também diferentes formas de apreensão do conhecimento identificadas entre os visitantes-mirins.

A partir desta tipologia da interpretação – que inclui a representação descritiva, divergente, emotiva e avaliativa da atividade – Douglas propõe estilos de aprendizagem adequados a cada perfil.

Para ele, porém, o maior desafio dos profissionais é inserir no cotidiano dos museus os resultados de avaliações.

Denise Studart, do Museu da Vida, apresentou os resultados de pesquisa realizada durante seu doutorado na Inglaterra que avalia a percepção do público infantil de museus através de desenhos representativos das atividades desenvolvidas.

“Desenhos são uma importante fonte de informação sobre o pensamento infantil, pois permitem que a criança expresse suas impressões livremente, integrando os contextos pessoal, social e físico da visita”, Denise argumentou.

A pesquisa, que combinou a análise de 120 desenhos a entrevistas com 150 crianças com idade entre 7 e 11 anos, permitiu a identificação dos aspectos mais apreciados pelo público, como aplicação de conhecimentos de ciência e tecnologia no dia-a-dia, e a associação entre peças e atividades de diferentes exposições em uma mesma representação.

Bel Levy

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)