Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Especialista aponta desafios no controle da doença de Chagas

Especialista aponta desafios no controle da doença de Chagas

Doença atinge os cinco continentes e está presente até em países como Espanha, Japão e Austrália, onde não há registro da existência de seus vetores
Por Jornalismo IOC08/07/2009 - Atualizado em 10/03/2023

A situação atual da epidemiologia e controle da doença de Chagas no Brasil foi o tema exposto por José Rodrigues Coura, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e renomado estudioso da doença, durante a mesa-redonda Avanços e Desafios no Controle da Doença de Chagas, nesta quarta-feira (08/07), no Simpósio Internacional do Centenário da Descoberta da Doença de Chagas.

O evento reúne pesquisadores de todo o mundo para debater novas estratégias de prevenção, produção de vacinas e fármacos, no Rio de Janeiro, até sexta-feira (10/07).

O pesquisador José Rodrigues Coura, um dos mais renomados especialistas em doença de Chagas do país, aposta no controle da enfermidade dentro dos próximos 20 anos. Foto: Gutemberg Brito

Um dos maiores especialistas sobre o tema no país, Coura fez uma retrospectiva histórica das três fases da pesquisa em Chagas, incluindo a descoberta, disseminação do conhecimento e a fase da aplicação destes conhecimentos para avaliar o desempenho das ações preventivas.

Ilustrou também a difusão epidemiológica da infecção no mundo e seus três ciclos de infestação: silvestre, domiciliar e peridomiciliar.

Segundo o pesquisador, hoje a doença atinge os cinco continentes e já está presente em países livres dos triatomíneos, como Espanha, Japão e Austrália, por meio da transfusão sanguínea e transplante de órgãos. 

Há 50 anos pesquisando Chagas, o médico percebe o atual cenário de contenção da doença com otimismo e aposta no controle mundial da doença, para os próximos 20 anos. “No entanto, é preciso perseverança e compromisso para atingir esta meta”, reforça.

Para Coura, o desafio do controle da doença de Chagas consiste em equacionar aspectos técnicos e político-administrativos de um sistema permanente e sustentável de vigilância epidemiológica, com características de descentralização, constante supervisão e ampla participação comunitária.

“A interação desta estratégia com entidades internacionais de saúde garantirá o sucesso das ações no combate à doença”, afirma o pesquisador.

“Outros fatores importantes para potencializar estas ações são a melhoria das habitações, a educação sanitária da população exposta e o tratamento dos casos agudos e crônicos, complementados pela vigilância”, pontua.

O Brasil foi pioneiro nas ações regulares de controle da doença, a partir de 1983. A iniciativa foi seguida por outros países e estimulou a criação de redes de vigilância no Cone Sul, nos países Andinos, na América Central e México e nos países Amazônicos.

De acordo com Coura, as redes matêm contato permanente por meio da troca de informações em encontros anuais, apoiados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização Panamericana de Saúde (Opas).

 

 

 

: : voltar para o especial do Simpósio

Doença atinge os cinco continentes e está presente até em países como Espanha, Japão e Austrália, onde não há registro da existência de seus vetores
Por: 
jornalismo

A situação atual da epidemiologia e controle da doença de Chagas no Brasil foi o tema exposto por José Rodrigues Coura, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e renomado estudioso da doença, durante a mesa-redonda Avanços e Desafios no Controle da Doença de Chagas, nesta quarta-feira (08/07), no Simpósio Internacional do Centenário da Descoberta da Doença de Chagas.

O evento reúne pesquisadores de todo o mundo para debater novas estratégias de prevenção, produção de vacinas e fármacos, no Rio de Janeiro, até sexta-feira (10/07).

O pesquisador José Rodrigues Coura, um dos mais renomados especialistas em doença de Chagas do país, aposta no controle da enfermidade dentro dos próximos 20 anos. Foto: Gutemberg Brito

Um dos maiores especialistas sobre o tema no país, Coura fez uma retrospectiva histórica das três fases da pesquisa em Chagas, incluindo a descoberta, disseminação do conhecimento e a fase da aplicação destes conhecimentos para avaliar o desempenho das ações preventivas.

Ilustrou também a difusão epidemiológica da infecção no mundo e seus três ciclos de infestação: silvestre, domiciliar e peridomiciliar.

Segundo o pesquisador, hoje a doença atinge os cinco continentes e já está presente em países livres dos triatomíneos, como Espanha, Japão e Austrália, por meio da transfusão sanguínea e transplante de órgãos. 

Há 50 anos pesquisando Chagas, o médico percebe o atual cenário de contenção da doença com otimismo e aposta no controle mundial da doença, para os próximos 20 anos. “No entanto, é preciso perseverança e compromisso para atingir esta meta”, reforça.

Para Coura, o desafio do controle da doença de Chagas consiste em equacionar aspectos técnicos e político-administrativos de um sistema permanente e sustentável de vigilância epidemiológica, com características de descentralização, constante supervisão e ampla participação comunitária.

“A interação desta estratégia com entidades internacionais de saúde garantirá o sucesso das ações no combate à doença”, afirma o pesquisador.

“Outros fatores importantes para potencializar estas ações são a melhoria das habitações, a educação sanitária da população exposta e o tratamento dos casos agudos e crônicos, complementados pela vigilância”, pontua.

O Brasil foi pioneiro nas ações regulares de controle da doença, a partir de 1983. A iniciativa foi seguida por outros países e estimulou a criação de redes de vigilância no Cone Sul, nos países Andinos, na América Central e México e nos países Amazônicos.

De acordo com Coura, as redes matêm contato permanente por meio da troca de informações em encontros anuais, apoiados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização Panamericana de Saúde (Opas).

 

 

 

: : voltar para o especial do Simpósio

Matéria de Pâmela Pinto

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)