Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Instituto forma novos técnicos para a ciência e a saúde nacionais

Instituto forma novos técnicos para a ciência e a saúde nacionais

Formatura do Curso Técnico em Biotecnologia reuniu os 14 formandos e seus amigos e professores
Por Kadu Cayres08/09/2022 - Atualizado em 15/09/2022
À frente, os formandos do curso técnico em Biotecnologia. Ao fundo, de crachá, o coordenador da iniciativa, Paulo Roberto Soares Stephens. Foto: Ricardo Schmidt

Após as incertezas sanitárias trazidas pela pandemia de Covid-19, a turma de 2020 do Curso Técnico em Biotecnologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) teve, enfim, a tão sonhada formatura. No dia 1º de setembro, os 14 formandos do curso se reuniram com amigos e professores para celebrar a conquista do título de técnico em Biotecnologia. 

Com início em março de 2020, a turma foi fortemente impactada com a pandemia. Toda a estrutura didática da capacitação precisou ser reformulada por completo dias após a largada inicial das aulas: 21 disciplinas foram ofertadas online.

“A turma começou e cerca de uma semana depois a Organização Mundial de Saúde decretou a pandemia de Covid-19. Suspendemos as aulas e começamos a repensar todo o formato do curso que, desde a origem, é estruturada em 50% de teoria e 50% de aulas práticas nos Laboratórios de Pesquisa do Instituto e da Fiocruz. Diante da situação, a decisão foi reunir todo o conteúdo teórico e ofertá-lo aos alunos de forma remota, com aulas virtuais síncronas e assíncronas. O estágio obrigatório acabou ficando para o final, quando o retorno gradual às atividades presenciais nos laboratórios foi liberado”, comentou Paulo Roberto Soares Stephens, coordenador do curso e pesquisador do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC.

O coordenador ressaltou o apoio imediato da Vice-Diretoria de Ensino, Informação e Comunicação do IOC em garantir a inclusão digital dos alunos, com disponibilização de tablets e pacotes de acesso a dados de internet, além de prover suporte para desenvolvimento das atividades em plataforma online.

Com mais de 40 anos de existência, a iniciativa tem como principal objetivo formar profissionais técnicos para atuar nas áreas de pesquisa, desenvolvimento tecnológico, inovação em saúde, no controle de parasitos e vetores e na prestação de serviços de diagnóstico.

Na visão de Stephens, o principal desafio imposto pela pandemia foi, justamente, sustentar tais objetivos sem comprometer a qualidade da capacitação. “A adaptação realizada, e necessária, não comprometeu a grade curricular do curso”, frisou. De acordo com o coordenador, mesmo o cenário desafiador foi aproveitado como oportunidade. “Tendo em vista a dinâmica online, tivemos aulas apresentadas por profissionais de instituições fora do Rio de Janeiro, o que não ocorreria no formato tradicional”, destacou.

Os formandos Clara Coutinho e Pedro Pereira dos Santos destacaram que, apesar das adaptações, a turma conseguiu ter um bom aproveitamento tanto da parte teórica como da prática.

“No começo, todo mundo ficou preocupado de o curso acabar sendo mais teórico. O questionamento era: vamos sair com um diploma sem nunca ter vivenciado o cotidiano prático de um laboratório? Mas, no final, todo o conteúdo teórico foi passado e ainda tivemos a oportunidade de realizar, em tempo integral, o estágio obrigatório nos laboratórios. De certa forma, acho que fomos privilegiados, pois conseguimos focar com intensidade nos dois eixos do aprendizado: teoria e prática”, declarou Clara.

“A experiência adquirida no curso, mesmo diante das incertezas trazidas pela pandemia, foi essencial para o meu crescimento pessoal e profissional. Fiquei satisfeito em conhecer a multiplicidade da área de biotecnologia, que, além da questão biológica, passa também pela relação humana com o meio ambiente, a sociedade. Todo esse aprendizado adquirido fez eu me encontrar profissionalmente e ter a certeza de que pretendo continuar atuando na área da ciência”, completou Pedro.

O curso já formou mais de 370 alunos. A previsão é de que as inscrições para a próxima turma sejam abertas ainda este ano.

Formatura do Curso Técnico em Biotecnologia reuniu os 14 formandos e seus amigos e professores
Por: 
kadu
À frente, os formandos do curso técnico em Biotecnologia. Ao fundo, de crachá, o coordenador da iniciativa, Paulo Roberto Soares Stephens. Foto: Ricardo Schmidt

Após as incertezas sanitárias trazidas pela pandemia de Covid-19, a turma de 2020 do Curso Técnico em Biotecnologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) teve, enfim, a tão sonhada formatura. No dia 1º de setembro, os 14 formandos do curso se reuniram com amigos e professores para celebrar a conquista do título de técnico em Biotecnologia. 

Com início em março de 2020, a turma foi fortemente impactada com a pandemia. Toda a estrutura didática da capacitação precisou ser reformulada por completo dias após a largada inicial das aulas: 21 disciplinas foram ofertadas online.

“A turma começou e cerca de uma semana depois a Organização Mundial de Saúde decretou a pandemia de Covid-19. Suspendemos as aulas e começamos a repensar todo o formato do curso que, desde a origem, é estruturada em 50% de teoria e 50% de aulas práticas nos Laboratórios de Pesquisa do Instituto e da Fiocruz. Diante da situação, a decisão foi reunir todo o conteúdo teórico e ofertá-lo aos alunos de forma remota, com aulas virtuais síncronas e assíncronas. O estágio obrigatório acabou ficando para o final, quando o retorno gradual às atividades presenciais nos laboratórios foi liberado”, comentou Paulo Roberto Soares Stephens, coordenador do curso e pesquisador do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC.

O coordenador ressaltou o apoio imediato da Vice-Diretoria de Ensino, Informação e Comunicação do IOC em garantir a inclusão digital dos alunos, com disponibilização de tablets e pacotes de acesso a dados de internet, além de prover suporte para desenvolvimento das atividades em plataforma online.

Com mais de 40 anos de existência, a iniciativa tem como principal objetivo formar profissionais técnicos para atuar nas áreas de pesquisa, desenvolvimento tecnológico, inovação em saúde, no controle de parasitos e vetores e na prestação de serviços de diagnóstico.

Na visão de Stephens, o principal desafio imposto pela pandemia foi, justamente, sustentar tais objetivos sem comprometer a qualidade da capacitação. “A adaptação realizada, e necessária, não comprometeu a grade curricular do curso”, frisou. De acordo com o coordenador, mesmo o cenário desafiador foi aproveitado como oportunidade. “Tendo em vista a dinâmica online, tivemos aulas apresentadas por profissionais de instituições fora do Rio de Janeiro, o que não ocorreria no formato tradicional”, destacou.

Os formandos Clara Coutinho e Pedro Pereira dos Santos destacaram que, apesar das adaptações, a turma conseguiu ter um bom aproveitamento tanto da parte teórica como da prática.

“No começo, todo mundo ficou preocupado de o curso acabar sendo mais teórico. O questionamento era: vamos sair com um diploma sem nunca ter vivenciado o cotidiano prático de um laboratório? Mas, no final, todo o conteúdo teórico foi passado e ainda tivemos a oportunidade de realizar, em tempo integral, o estágio obrigatório nos laboratórios. De certa forma, acho que fomos privilegiados, pois conseguimos focar com intensidade nos dois eixos do aprendizado: teoria e prática”, declarou Clara.

“A experiência adquirida no curso, mesmo diante das incertezas trazidas pela pandemia, foi essencial para o meu crescimento pessoal e profissional. Fiquei satisfeito em conhecer a multiplicidade da área de biotecnologia, que, além da questão biológica, passa também pela relação humana com o meio ambiente, a sociedade. Todo esse aprendizado adquirido fez eu me encontrar profissionalmente e ter a certeza de que pretendo continuar atuando na área da ciência”, completou Pedro.

O curso já formou mais de 370 alunos. A previsão é de que as inscrições para a próxima turma sejam abertas ainda este ano.

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)