Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Mancha no corpo, perda de sensibilidade, formigamento ou fisgadas em mãos e pés: conheça os sintomas da hanseníase

Mancha no corpo, perda de sensibilidade, formigamento ou fisgadas em mãos e pés: conheça os sintomas da hanseníase

Brasil registrou 17 mil novos casos em 2022. Diagnóstico precoce evita complicações neurais
Por Max Gomes e Vinicius Ferreira27/01/2023 - Atualizado em 03/02/2023

Perda da sensibilidade e coloração arroxeada em mãos e pés podem
ser sinais de hanseníase. Foto: Gutemberg Brito

Morador de Vila Valqueire, bairro de classe média e classe média alta da Zona Oeste do Rio de Janeiro, Tom (nome fictício), de 74 anos, não imaginou que a pele avermelhada, o formigamento constante nos braços e pernas, o ressecamento das mãos ou a perda de sensibilidade nos pés poderiam ser sintomas do estágio avançado da hanseníase. 

A identificação da doença aconteceu no final de 2022 ao acompanhar o filho em uma consulta no Ambulatório Souza Araújo, que presta atendimento a pacientes com hanseníase, na sede da Fiocruz no Rio de Janeiro. 

Emílio (nome fictício e filho de Tom), de 46 anos, se deparou com uma pequena mancha nas proximidades do tornozelo. Dias passaram e a mancha de cor rosada não desapareceu. Ao tocar, percebeu que a sensibilidade no local não estava 100%. Foi aí que o sinal de alerta acendeu. 

“A princípio achei que pudesse ser reação à picada de algum inseto. Mas a mancha não sumia e logo depois percebi que algo estava estranho, pois tocava no local e não sentia direito. Tratei logo de procurar um médico. Ao relatar o ocorrido, fui encaminhado para o ambulatório da Fiocruz", relembrou o advogado e gestor de imóveis. 


Acima, Emilio, paciente paucibacilar com manifestação concentrada em uma região do corpo. Abaixo, Tom, paciente multibacilar com manifestação difusa da doença. Fotos: Gutemberg Brito

Ainda no início dos sintomas, Emílio passou por uma longa e sofisticada bateria de exames até que os profissionais conseguissem detectar em um fragmento da pele, achados compatíveis com o diagnóstico de hanseníase. 

Nesse ínterim, enquanto aguardava na recepção a realização dos testes do filho, Tom foi chamado ao consultório médico para que pudesse contribuir com o histórico epidemiológico dos contatos intradomiciliares, considerados os mais expostos à infecção.  

“Ao olharem para mim, os médicos identificaram vários sinais físicos da doença, que na nossa cabeça eram provenientes da idade. Fiz alguns exames e logo veio o resultado positivo. Sem saber, acabei passando para o meu filho que mora comigo”, contou. 

Pai e filho já iniciaram o tratamento e, tendo em vista a rápida ação dos medicamentos, não transmitem mais a doença e continuam a levar a vida normalmente.  

Hanseníase: saiba mais sobre a doença milenar 

O breve relato que abre esta reportagem ajuda a desmistificar muitos dos estereótipos atrelados à hanseníase, um dos agravos mais antigos da humanidade. Infecciosa, transmissível e de evolução crônica, a doença pode acometer pessoas de qualquer gênero, idade e classe social. 

De acordo com dados preliminares do Ministério da Saúde mais de 17 mil novos casos de hanseníase foram diagnosticados no Brasil ao longo de 2022. No ano anterior, foram registrados 18 mil casos, com 11,2% dos pacientes identificados com lesões consideradas graves nos olhos, mãos e pés.

Desde a década de 1990, com mudanças nas diretrizes brasileiras de vigilância e saúde da doença, cujo foco passou a ser o cuidado com as pessoas infectadas, o país vive uma guinada no combate e controle do agravo. 

“É importante que seja feito o diagnóstico precoce. A hanseníase tem cura e o tratamento é eficiente, ofertado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde [SUS]. Se tratado a partir do surgimento dos primeiros sinais, o paciente tende a ter uma recuperação sem sequelas”, destaca Anna Maria Sales, médica do Ambulatório Souza Araújo e pesquisadora do Laboratório de Hanseníase do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). 

A classificação da doença tem base nos processos de defesa pelo sistema imunológico. No formato paucibacilar, quando o paciente consegue produzir boa resposta imune, a infecção fica contida em regiões específicas do corpo. Na forma multibacilar, devido à resposta celular ineficiente, há multiplicação dos bacilos e acometimento disseminado pela infecção. 


Tom apresenta infiltrações na pele (aumento da espessura e consistência do tecido). Coloração arroxeada, uma das manifestações da hanseníase multibacilar, é facilmente perceptível no toque. Fotos: Gutemberg Brito
 

Sinais e sintomas 

Consideradas como principal forma de identificar a hanseníase, as manchas sinalizam, em geral, a presença da forma paucibacilar da doença. Como elas apresentam, inicialmente, uma tonalidade mais clara em relação a cor da pele, podem ser facilmente confundidas com pitiríase versicolor (infecção fúngica conhecida popularmente como “pano branco”), entre outras doenças de pele. 

“A hanseníase é uma doença de espectro clínico diversificado. Ou seja, pode apresentar muitos sinais e sintomas, e por isso, precisamos estar atentos a todos. A mancha é apenas um deles, podendo aparecer em um tom mais claro que a pele ou avermelhada", explica Anna. 

“Na hanseníase multibacilar, os pacientes podem apresentar dormência constante nas mãos ou nos pés, diminuição das sensibilidades térmica, dolorosa e tátil. Sensação de choque nos membros e nariz entupido também são indicativos e devem constar na anamnese do paciente”, completa. 

Se o agravo for tratado logo nas primeiras manifestações clínicas, é possível reverter os acometimentos por ainda serem superficiais. No entanto, caso haja demora para iniciar o tratamento, o paciente pode desenvolver incapacidades físicas. 

“Uma das principais sequelas da hanseníase é a perda parcial ou total e irreversível da sensibilidade em mãos e pés. Isso é um perigo para a qualidade de vida do paciente. Imagina não ser capaz de sentir quando algo está quente a ponto de causar queimaduras? Ou não sentir dor quando pisar em um prego, podendo levar a feridas e infecções?”, aponta Anna.

Essas feridas e infecções acabam por atingir os ossos levando a destruição do tecido ósseo causando as conhecidas e temidas deformidades em mãos e pés.


A médica e pesquisadora Anna Maria Sales atua no Ambulatório Souza Araújo e no Laboratório de Hanseníase do IOC. Foto: Gutember Brito

“Para conseguirmos enfrentar a hanseníase, a população precisa conhecer mais e melhor a doença e falar abertamente sobre ela, incluindo sinais e sintomas, formas de transmissão, tratamento e possíveis sequelas. Apesar de ser um agravo milenar, o conhecimento sobre ela é pouco difundido, o que contribui para a estigmatização dos pacientes”, declara. 

A hanseníase é considerada uma doença negligenciada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em razão do pouco investimento dedicado ao seu enfrentamento. Com objetivo aumentar a conscientização sobre o agravo, é celebrado no último domingo de janeiro, este ano, dia 29, o Dia Mundial da Hanseníase. No Brasil, o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase é comemorado em 31 de janeiro.

Clique aqui e saiba mais sobre o tratamento gratuito da hanseníase, que leva o paciente à cura.

Brasil registrou 17 mil novos casos em 2022. Diagnóstico precoce evita complicações neurais
Por: 
max.gomes
viniciusferreira

Perda da sensibilidade e coloração arroxeada em mãos e pés podem
ser sinais de hanseníase. Foto: Gutemberg Brito

Morador de Vila Valqueire, bairro de classe média e classe média alta da Zona Oeste do Rio de Janeiro, Tom (nome fictício), de 74 anos, não imaginou que a pele avermelhada, o formigamento constante nos braços e pernas, o ressecamento das mãos ou a perda de sensibilidade nos pés poderiam ser sintomas do estágio avançado da hanseníase. 

A identificação da doença aconteceu no final de 2022 ao acompanhar o filho em uma consulta no Ambulatório Souza Araújo, que presta atendimento a pacientes com hanseníase, na sede da Fiocruz no Rio de Janeiro. 

Emílio (nome fictício e filho de Tom), de 46 anos, se deparou com uma pequena mancha nas proximidades do tornozelo. Dias passaram e a mancha de cor rosada não desapareceu. Ao tocar, percebeu que a sensibilidade no local não estava 100%. Foi aí que o sinal de alerta acendeu. 

“A princípio achei que pudesse ser reação à picada de algum inseto. Mas a mancha não sumia e logo depois percebi que algo estava estranho, pois tocava no local e não sentia direito. Tratei logo de procurar um médico. Ao relatar o ocorrido, fui encaminhado para o ambulatório da Fiocruz", relembrou o advogado e gestor de imóveis. 


Acima, Emilio, paciente paucibacilar com manifestação concentrada em uma região do corpo. Abaixo, Tom, paciente multibacilar com manifestação difusa da doença. Fotos: Gutemberg Brito

Ainda no início dos sintomas, Emílio passou por uma longa e sofisticada bateria de exames até que os profissionais conseguissem detectar em um fragmento da pele, achados compatíveis com o diagnóstico de hanseníase. 

Nesse ínterim, enquanto aguardava na recepção a realização dos testes do filho, Tom foi chamado ao consultório médico para que pudesse contribuir com o histórico epidemiológico dos contatos intradomiciliares, considerados os mais expostos à infecção.  

“Ao olharem para mim, os médicos identificaram vários sinais físicos da doença, que na nossa cabeça eram provenientes da idade. Fiz alguns exames e logo veio o resultado positivo. Sem saber, acabei passando para o meu filho que mora comigo”, contou. 

Pai e filho já iniciaram o tratamento e, tendo em vista a rápida ação dos medicamentos, não transmitem mais a doença e continuam a levar a vida normalmente.  

Hanseníase: saiba mais sobre a doença milenar 

O breve relato que abre esta reportagem ajuda a desmistificar muitos dos estereótipos atrelados à hanseníase, um dos agravos mais antigos da humanidade. Infecciosa, transmissível e de evolução crônica, a doença pode acometer pessoas de qualquer gênero, idade e classe social. 

De acordo com dados preliminares do Ministério da Saúde mais de 17 mil novos casos de hanseníase foram diagnosticados no Brasil ao longo de 2022. No ano anterior, foram registrados 18 mil casos, com 11,2% dos pacientes identificados com lesões consideradas graves nos olhos, mãos e pés.

Desde a década de 1990, com mudanças nas diretrizes brasileiras de vigilância e saúde da doença, cujo foco passou a ser o cuidado com as pessoas infectadas, o país vive uma guinada no combate e controle do agravo. 

“É importante que seja feito o diagnóstico precoce. A hanseníase tem cura e o tratamento é eficiente, ofertado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde [SUS]. Se tratado a partir do surgimento dos primeiros sinais, o paciente tende a ter uma recuperação sem sequelas”, destaca Anna Maria Sales, médica do Ambulatório Souza Araújo e pesquisadora do Laboratório de Hanseníase do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). 

A classificação da doença tem base nos processos de defesa pelo sistema imunológico. No formato paucibacilar, quando o paciente consegue produzir boa resposta imune, a infecção fica contida em regiões específicas do corpo. Na forma multibacilar, devido à resposta celular ineficiente, há multiplicação dos bacilos e acometimento disseminado pela infecção. 


Tom apresenta infiltrações na pele (aumento da espessura e consistência do tecido). Coloração arroxeada, uma das manifestações da hanseníase multibacilar, é facilmente perceptível no toque. Fotos: Gutemberg Brito
 

Sinais e sintomas 

Consideradas como principal forma de identificar a hanseníase, as manchas sinalizam, em geral, a presença da forma paucibacilar da doença. Como elas apresentam, inicialmente, uma tonalidade mais clara em relação a cor da pele, podem ser facilmente confundidas com pitiríase versicolor (infecção fúngica conhecida popularmente como “pano branco”), entre outras doenças de pele. 

“A hanseníase é uma doença de espectro clínico diversificado. Ou seja, pode apresentar muitos sinais e sintomas, e por isso, precisamos estar atentos a todos. A mancha é apenas um deles, podendo aparecer em um tom mais claro que a pele ou avermelhada", explica Anna. 

“Na hanseníase multibacilar, os pacientes podem apresentar dormência constante nas mãos ou nos pés, diminuição das sensibilidades térmica, dolorosa e tátil. Sensação de choque nos membros e nariz entupido também são indicativos e devem constar na anamnese do paciente”, completa. 

Se o agravo for tratado logo nas primeiras manifestações clínicas, é possível reverter os acometimentos por ainda serem superficiais. No entanto, caso haja demora para iniciar o tratamento, o paciente pode desenvolver incapacidades físicas. 

“Uma das principais sequelas da hanseníase é a perda parcial ou total e irreversível da sensibilidade em mãos e pés. Isso é um perigo para a qualidade de vida do paciente. Imagina não ser capaz de sentir quando algo está quente a ponto de causar queimaduras? Ou não sentir dor quando pisar em um prego, podendo levar a feridas e infecções?”, aponta Anna.

Essas feridas e infecções acabam por atingir os ossos levando a destruição do tecido ósseo causando as conhecidas e temidas deformidades em mãos e pés.


A médica e pesquisadora Anna Maria Sales atua no Ambulatório Souza Araújo e no Laboratório de Hanseníase do IOC. Foto: Gutember Brito

“Para conseguirmos enfrentar a hanseníase, a população precisa conhecer mais e melhor a doença e falar abertamente sobre ela, incluindo sinais e sintomas, formas de transmissão, tratamento e possíveis sequelas. Apesar de ser um agravo milenar, o conhecimento sobre ela é pouco difundido, o que contribui para a estigmatização dos pacientes”, declara. 

A hanseníase é considerada uma doença negligenciada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em razão do pouco investimento dedicado ao seu enfrentamento. Com objetivo aumentar a conscientização sobre o agravo, é celebrado no último domingo de janeiro, este ano, dia 29, o Dia Mundial da Hanseníase. No Brasil, o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase é comemorado em 31 de janeiro.

Clique aqui e saiba mais sobre o tratamento gratuito da hanseníase, que leva o paciente à cura.

Edição: 
Vinicius Ferreira

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)