Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.

vw_cabecalho_novo

Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Modernização do parque tecnológico do IOC em pauta

Modernização do parque tecnológico do IOC em pauta

Durante encontro virtual com o parlamentar Paulo Ramos, autor de emenda que resultou no aporte de R$ 5 milhões para projetos de pesquisa e extensão, Diretoria apresentou incremento viabilizado por recursos`
Por Vinicius Ferreira15/10/2021 - Atualizado em 25/11/2021

A Diretoria do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e convidados se reuniram, virtualmente, na manhã desta sexta-feira (15/10), com o deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ). Parlamentar atento à pauta de reivindicações da Ciência e da Tecnologia nacionais, o congressista destinou, em dezembro de 2019, R$ 5 milhões para a renovação das tecnologias disponíveis em equipamentos multiusuários no IOC, a partir de emenda parlamentar [confira cobertura anterior sobre o tema]. 

No encontro, a vice-diretora de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Luciana Lopes de Almeida Ribeiro Garzoni, prestou contas em relação à destinação dos recursos recebidos. A emenda foi captada conjuntamente pela pesquisadora, que na época atuava como coordenadora de Promoção da Saúde da Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS/Fiocruz), e pelo então diretor do Instituto, José Paulo Gagliardi Leite. A mobilização por garantia de recursos também esteve em pauta na data por meio de carta de posicionamento da Diretoria sobre a ameaça de cortes ao orçamento de C&T em 2022.

Representantes da Diretoria e da comunidade do IOC discutiram com o Deputado Federal Paulo Ramos estratégias para o permanente investimento na ciência. Foto: Reprodução

Com a verba foi possível adquirir equipamentos que contribuirão para a formação de mestres e doutores e para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), trazendo respostas para o enfrentamento de diversas doenças. Os itens adquiridos, atualmente em fase de implementação, incluem fotodocumentador de alta resolução, microscópio de fluorescência intravital, 20 computadores, 3 ultrafreezers -80°C, laser speckle para fluxo sanguíneo, citômetro com confocal e scanner de lâminas para histotecnologia.

A atual diretora do IOC, Tania Araujo-Jorge, ressaltou o empenho da gestão anterior na captação desse recurso. “Essa verba, via emenda parlamentar, foi inédita nesses mais de 120 anos de existência do Instituto. Conhecíamos outros tipos de financiamento, mas desconhecíamos essa grande experiência e grande marca da emenda parlamentar. Estamos aprendendo e isso será decisivo em nosso futuro. É um privilégio estar vivendo esse momento de esperança com um deputado que olha para a Ciência”, comemorou Tania.

Coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa da FINEP, do Desenvolvimento da Ciência, da Pesquisa e da Inovação, o deputado aproveitou a ocasião para rechaçar a possibilidade de corte de recursos para CT&I, a partir da aprovação do Projeto de Lei do Congresso (PLN) 16/21, que remanejou mais de 90% dos recursos que seriam destinados para o Ministério da Ciência e Tecnologia para outras pastas. 

“Meu papel como deputado é destinar corretamente o recurso que me é possibilitado. E destinei parte dele para a Fiocruz pela importância e significado da instituição, sabendo que seria muito bem utilizado”, salientou Paulo Ramos. “Já me proponho a destinar mais recursos nos próximos anos e tentarei, ainda, aumentar o valor, chegando a cerca de R$ 6,5 milhões”, adiantou o parlamentar. 

Também participaram do encontro o vice-diretor de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Elmo Eduardo de Almeida Amaral; a vice-diretora de Laboratórios de Referência, Ambulatórios e Coleções Biológicas, Maria de Lourdes Aguiar Oliveira; e a vice-diretora de Desenvolvimento Institucional e Gestão, Wania Regina de Tolentino Santiago.

Estavam presentes, ainda, a chefe do Laboratório de Biologia Estrutural, Helene Santos Barbosa; a chefe do Laboratório de Biotecnologia e Fisiologia de Infecções Virais, Ada Maria de Barcelos Alves; o chefe do Laboratório de Bioquímica de Tripanosomatídeos, Eduardo Caio Torres dos Santos; a pesquisadora do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos, Anna Cristina Carvalho; e o chefe da Secretaria Acadêmica, Marcelo Camacho. 

Para a pesquisadora Helene Barbosa, a falta de acesso a equipamentos de ponta representa retrocesso em todo o avanço já conquistado e vai colocando o Brasil no fim do ranking de países em desenvolvimento. “Gostaria de agradecer a sua sensibilidade, deputado, no apoio externo à ciência, capaz de modernizar nosso parque tecnológico. Essa soma de recursos é inédita”.
Já Eduardo Caio evidenciou um importante viés da aplicação dos recursos. “A captação dessa verba via emenda parlamentar tem uma dimensão especial, que é contribuir para a formação de recursos humanos. Precisamos estar preparados para o inesperado, capacitando nossos jovens cientistas para agirem em múltiplas frentes”, observou.

Ada Alves e Maria de Lourdes trouxeram à tona a necessidade de investimento na vigilância de doenças emergente e reemergentes. “Cada aluno que a gente forma vai formar outros alunos no futuro, e serão estes que atuarão na linha de frente no combate aos agravos”, citou Ada. “É fundamental a destinação de recursos que ampliem e acelerem a vigilância de patógenos que podem causar pandemias, como a de Covid-19, e aprimorem o parque tecnológico nacional”, indicou Lourdes.

Elmo Amaral chamou atenção para o dever de cada servidor público. “Precisamos olhar para o momento pós Covid-19. Essa pandemia acabará, mas outras doenças poderão atingir nossa sociedade. Esse compromisso assumido com a saúde e com a ciência nacionais é um dos caminhos para ajudar a mitigar os problemas enfrentados pela população. É muito bom saber que podemos contar com a Frente Parlamentar, sendo servidor público e, como o cargo diz, servindo ao público, lutando pelo bem-estar da população brasileira”, assinalou.

A partir dos comentários apontados pelos participantes, o deputado Paulo Ramos frisou que na Frente Parlamentar que coordena há vários deputados sensíveis às questões que envolvem a destinação de recursos para ciência, tecnologia e saúde. “Para o próximo ano, o valor mínimo para emenda de bancada, que reúne ao menos três deputados, será de R$ 16 milhões. Em homenagem e em defesa da ciência, vou sair dessa reunião com compromisso de enviar mensagem para todos os deputados e senadores sobre a importância de investimento na pesquisa. Em especial, vou sugerir aos 49 deputados fluminenses que dediquem investimento à Fiocruz”, declarou.

“A reunião foi muito positiva, conseguimos mostrar ao deputado vários pontos que tangenciam o investimento na ciência. Conseguimos ainda fortalecer o diálogo dos pesquisadores com a política nacional. Precisamos, agora, ampliar esse diálogo incluindo outros congressistas e avançar na modernização do parque tecnológico da Fiocruz e na formação de recursos humanos qualificados para o enfrentamento de emergências em saúde, por meio da modalidade de recursos via emenda parlamentar. Isso permitirá o desenvolvimento de novas pesquisas e a promoção da saúde para nossa sociedade”, finalizou Luciana Garzoni.

Durante encontro virtual com o parlamentar Paulo Ramos, autor de emenda que resultou no aporte de R$ 5 milhões para projetos de pesquisa e extensão, Diretoria apresentou incremento viabilizado por recursos`
Por: 
viniciusferreira

A Diretoria do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e convidados se reuniram, virtualmente, na manhã desta sexta-feira (15/10), com o deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ). Parlamentar atento à pauta de reivindicações da Ciência e da Tecnologia nacionais, o congressista destinou, em dezembro de 2019, R$ 5 milhões para a renovação das tecnologias disponíveis em equipamentos multiusuários no IOC, a partir de emenda parlamentar [confira cobertura anterior sobre o tema]. 

No encontro, a vice-diretora de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Luciana Lopes de Almeida Ribeiro Garzoni, prestou contas em relação à destinação dos recursos recebidos. A emenda foi captada conjuntamente pela pesquisadora, que na época atuava como coordenadora de Promoção da Saúde da Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS/Fiocruz), e pelo então diretor do Instituto, José Paulo Gagliardi Leite. A mobilização por garantia de recursos também esteve em pauta na data por meio de carta de posicionamento da Diretoria sobre a ameaça de cortes ao orçamento de C&T em 2022.

Representantes da Diretoria e da comunidade do IOC discutiram com o Deputado Federal Paulo Ramos estratégias para o permanente investimento na ciência. Foto: Reprodução

Com a verba foi possível adquirir equipamentos que contribuirão para a formação de mestres e doutores e para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), trazendo respostas para o enfrentamento de diversas doenças. Os itens adquiridos, atualmente em fase de implementação, incluem fotodocumentador de alta resolução, microscópio de fluorescência intravital, 20 computadores, 3 ultrafreezers -80°C, laser speckle para fluxo sanguíneo, citômetro com confocal e scanner de lâminas para histotecnologia.

A atual diretora do IOC, Tania Araujo-Jorge, ressaltou o empenho da gestão anterior na captação desse recurso. “Essa verba, via emenda parlamentar, foi inédita nesses mais de 120 anos de existência do Instituto. Conhecíamos outros tipos de financiamento, mas desconhecíamos essa grande experiência e grande marca da emenda parlamentar. Estamos aprendendo e isso será decisivo em nosso futuro. É um privilégio estar vivendo esse momento de esperança com um deputado que olha para a Ciência”, comemorou Tania.

Coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa da FINEP, do Desenvolvimento da Ciência, da Pesquisa e da Inovação, o deputado aproveitou a ocasião para rechaçar a possibilidade de corte de recursos para CT&I, a partir da aprovação do Projeto de Lei do Congresso (PLN) 16/21, que remanejou mais de 90% dos recursos que seriam destinados para o Ministério da Ciência e Tecnologia para outras pastas. 

“Meu papel como deputado é destinar corretamente o recurso que me é possibilitado. E destinei parte dele para a Fiocruz pela importância e significado da instituição, sabendo que seria muito bem utilizado”, salientou Paulo Ramos. “Já me proponho a destinar mais recursos nos próximos anos e tentarei, ainda, aumentar o valor, chegando a cerca de R$ 6,5 milhões”, adiantou o parlamentar. 

Também participaram do encontro o vice-diretor de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Elmo Eduardo de Almeida Amaral; a vice-diretora de Laboratórios de Referência, Ambulatórios e Coleções Biológicas, Maria de Lourdes Aguiar Oliveira; e a vice-diretora de Desenvolvimento Institucional e Gestão, Wania Regina de Tolentino Santiago.

Estavam presentes, ainda, a chefe do Laboratório de Biologia Estrutural, Helene Santos Barbosa; a chefe do Laboratório de Biotecnologia e Fisiologia de Infecções Virais, Ada Maria de Barcelos Alves; o chefe do Laboratório de Bioquímica de Tripanosomatídeos, Eduardo Caio Torres dos Santos; a pesquisadora do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos, Anna Cristina Carvalho; e o chefe da Secretaria Acadêmica, Marcelo Camacho. 

Para a pesquisadora Helene Barbosa, a falta de acesso a equipamentos de ponta representa retrocesso em todo o avanço já conquistado e vai colocando o Brasil no fim do ranking de países em desenvolvimento. “Gostaria de agradecer a sua sensibilidade, deputado, no apoio externo à ciência, capaz de modernizar nosso parque tecnológico. Essa soma de recursos é inédita”.
Já Eduardo Caio evidenciou um importante viés da aplicação dos recursos. “A captação dessa verba via emenda parlamentar tem uma dimensão especial, que é contribuir para a formação de recursos humanos. Precisamos estar preparados para o inesperado, capacitando nossos jovens cientistas para agirem em múltiplas frentes”, observou.

Ada Alves e Maria de Lourdes trouxeram à tona a necessidade de investimento na vigilância de doenças emergente e reemergentes. “Cada aluno que a gente forma vai formar outros alunos no futuro, e serão estes que atuarão na linha de frente no combate aos agravos”, citou Ada. “É fundamental a destinação de recursos que ampliem e acelerem a vigilância de patógenos que podem causar pandemias, como a de Covid-19, e aprimorem o parque tecnológico nacional”, indicou Lourdes.

Elmo Amaral chamou atenção para o dever de cada servidor público. “Precisamos olhar para o momento pós Covid-19. Essa pandemia acabará, mas outras doenças poderão atingir nossa sociedade. Esse compromisso assumido com a saúde e com a ciência nacionais é um dos caminhos para ajudar a mitigar os problemas enfrentados pela população. É muito bom saber que podemos contar com a Frente Parlamentar, sendo servidor público e, como o cargo diz, servindo ao público, lutando pelo bem-estar da população brasileira”, assinalou.

A partir dos comentários apontados pelos participantes, o deputado Paulo Ramos frisou que na Frente Parlamentar que coordena há vários deputados sensíveis às questões que envolvem a destinação de recursos para ciência, tecnologia e saúde. “Para o próximo ano, o valor mínimo para emenda de bancada, que reúne ao menos três deputados, será de R$ 16 milhões. Em homenagem e em defesa da ciência, vou sair dessa reunião com compromisso de enviar mensagem para todos os deputados e senadores sobre a importância de investimento na pesquisa. Em especial, vou sugerir aos 49 deputados fluminenses que dediquem investimento à Fiocruz”, declarou.

“A reunião foi muito positiva, conseguimos mostrar ao deputado vários pontos que tangenciam o investimento na ciência. Conseguimos ainda fortalecer o diálogo dos pesquisadores com a política nacional. Precisamos, agora, ampliar esse diálogo incluindo outros congressistas e avançar na modernização do parque tecnológico da Fiocruz e na formação de recursos humanos qualificados para o enfrentamento de emergências em saúde, por meio da modalidade de recursos via emenda parlamentar. Isso permitirá o desenvolvimento de novas pesquisas e a promoção da saúde para nossa sociedade”, finalizou Luciana Garzoni.

Edição: 
Raquel Aguiar

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)