Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Nova espécie de bicho-pau é encontrada em Petrópolis

Nova espécie de bicho-pau é encontrada em Petrópolis

Batizado de ‘Cladomorphus petropolisensis’, inseto homenageia a cidade onde foi coletado
Por Max Gomes17/11/2022 - Atualizado em 21/11/2022
Exemplar ‘Cladomorphus petropolisensis’ foi depositado na Coleção Entomológica do IOC. Foto: Reprodução

Pesquisadores do Laboratório de Biodiversidade Entomológica do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) identificaram uma nova espécie de bicho-pau em Petrópolis, na Região Serrana do estado do Rio de Janeiro.

Batizado de Cladomorphus petropolisensis, o inseto carrega em seu nome uma homenagem à cidade onde foi coletado. O achado foi publicado na edição comemorativa de 10 anos da revista científica Animals. A última espécie do gênero Cladomorphus na região foi descrita em 1835 pelo cientista George Robert Gray.

“Estamos extremamente felizes em contribuir para o aumento do conhecimento da biodiversidade brasileira com a descoberta de uma espécie que pertence a um grupo ainda pouco estudado. Os bichos-pau possuem características bem interessantes como camuflagem e reprodução assexuada”, compartilhou Jane Costa, primeira autora do artigo e chefe substituta do Laboratório de Biodiversidade Entomológica do IOC.

A partir de análises morfológicas foi possível verificar que as características físicas C. petropolisensis se diferenciavam significativamente no comprimento e na disposição de espinhos quando comparadas ao de outra espécie semelhante da mesma região, a Cladomorphus phyllinus.

“Apesar de terem grande semelhança física, a diferença de tamanho entre elas é o que mais chama atenção. A nova espécie é quase 5 centímetros menor. Além disso, possui maior número de espinhos protuberantes em parte do tórax e nas patas traseiras”, descreveu Jane.

Outra característica que distingue as duas espécies são os ovos depositados pelas fêmeas: enquanto os da C. phyllinus possuem uma coloração marrom mais uniforme, os da C. petropolisensis apresentam padrão de cor irregular entre tons de marrom e bege.

As evidências levantadas a partir das avaliações morfológicas foram comprovadas por meio de sequenciamentos genéticos, confirmando que o exemplar pertencia a uma espécie até então sem registro na literatura científica.

“Esse tipo de análise traz uma precisão muito importante. Somando as investigações morfológicas e moleculares, conseguimos delimitar com mais certeza as características de cada espécie”, explicou a bióloga.

Participaram da descoberta Jacenir Mallet, do Laboratório Interdisciplinar de Vigilância Entomológica em Diptera e Hemiptera do IOC, e Daniela Maeda Takiya, do Laboratório de Entomologia do Instituto de Biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

O exemplar utilizado na descrição da C. petropolisensis foi encontrado na Mata Atlântica de Petrópolis em maio desse ano. Atualmente, está preservado e depositado na Coleção Entomológica do IOC (CEIOC/Fiocruz), que abriga mais de 5 milhões de insetos e é considerada um dos acervos mais valiosos da América Latina.

Recentemente, o Laboratório produziu o livro infanto-juvenil “Eu, o bicho-pau”, que incentiva o estudo da biodiversidade e o respeito pelas mais diversas criaturas da natureza através da história de uma criança que encontra um misterioso inseto com formato de graveto, o bicho-pau.

A obra tem como objetivo estimular a prática da leitura em crianças, além de incentivar a interação com a natureza. Foto: Reprodução
Batizado de ‘Cladomorphus petropolisensis’, inseto homenageia a cidade onde foi coletado
Por: 
max.gomes
Exemplar ‘Cladomorphus petropolisensis’ foi depositado na Coleção Entomológica do IOC. Foto: Reprodução

Pesquisadores do Laboratório de Biodiversidade Entomológica do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) identificaram uma nova espécie de bicho-pau em Petrópolis, na Região Serrana do estado do Rio de Janeiro.

Batizado de Cladomorphus petropolisensis, o inseto carrega em seu nome uma homenagem à cidade onde foi coletado. O achado foi publicado na edição comemorativa de 10 anos da revista científica Animals. A última espécie do gênero Cladomorphus na região foi descrita em 1835 pelo cientista George Robert Gray.

“Estamos extremamente felizes em contribuir para o aumento do conhecimento da biodiversidade brasileira com a descoberta de uma espécie que pertence a um grupo ainda pouco estudado. Os bichos-pau possuem características bem interessantes como camuflagem e reprodução assexuada”, compartilhou Jane Costa, primeira autora do artigo e chefe substituta do Laboratório de Biodiversidade Entomológica do IOC.

A partir de análises morfológicas foi possível verificar que as características físicas C. petropolisensis se diferenciavam significativamente no comprimento e na disposição de espinhos quando comparadas ao de outra espécie semelhante da mesma região, a Cladomorphus phyllinus.

“Apesar de terem grande semelhança física, a diferença de tamanho entre elas é o que mais chama atenção. A nova espécie é quase 5 centímetros menor. Além disso, possui maior número de espinhos protuberantes em parte do tórax e nas patas traseiras”, descreveu Jane.

Outra característica que distingue as duas espécies são os ovos depositados pelas fêmeas: enquanto os da C. phyllinus possuem uma coloração marrom mais uniforme, os da C. petropolisensis apresentam padrão de cor irregular entre tons de marrom e bege.

As evidências levantadas a partir das avaliações morfológicas foram comprovadas por meio de sequenciamentos genéticos, confirmando que o exemplar pertencia a uma espécie até então sem registro na literatura científica.

“Esse tipo de análise traz uma precisão muito importante. Somando as investigações morfológicas e moleculares, conseguimos delimitar com mais certeza as características de cada espécie”, explicou a bióloga.

Participaram da descoberta Jacenir Mallet, do Laboratório Interdisciplinar de Vigilância Entomológica em Diptera e Hemiptera do IOC, e Daniela Maeda Takiya, do Laboratório de Entomologia do Instituto de Biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

O exemplar utilizado na descrição da C. petropolisensis foi encontrado na Mata Atlântica de Petrópolis em maio desse ano. Atualmente, está preservado e depositado na Coleção Entomológica do IOC (CEIOC/Fiocruz), que abriga mais de 5 milhões de insetos e é considerada um dos acervos mais valiosos da América Latina.

Recentemente, o Laboratório produziu o livro infanto-juvenil “Eu, o bicho-pau”, que incentiva o estudo da biodiversidade e o respeito pelas mais diversas criaturas da natureza através da história de uma criança que encontra um misterioso inseto com formato de graveto, o bicho-pau.

A obra tem como objetivo estimular a prática da leitura em crianças, além de incentivar a interação com a natureza. Foto: Reprodução
Edição: 
Vinicius Ferreira

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)