Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » O lado multifacetado de Oswaldo Cruz

O lado multifacetado de Oswaldo Cruz

Em celebração ao sesquicentenário do cientista, reedição do projeto ‘Oswaldo Inspira’ apresenta a vida e o legado do patrono do IOC como você nunca viu
Por Jornalismo IOC03/08/2022 - Atualizado em 05/08/2022

Se ainda fosse vivo, Oswaldo Cruz completaria um século e meio de vida no dia 5 de agosto. Diante do legado científico deixado por ele, que se tornou a personificação da própria saúde no país, sua data de nascimento foi instituída, em 1967, como Dia Nacional da Saúde. 

Tendo em vista a importância de Oswaldo para a Ciência e a Saúde, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) reedita o projeto ‘Oswaldo Inspira’, hotsite lançado originalmente em 2017, em alusão aos cem anos de morte do cientista, e atualizado, agora em 2022, para a celebração do sesquicentenário do visionário. 

A iniciativa conta com um mosaico de aspectos que permitem aproximar a sociedade da figura multifacetada do médico e sanitarista. Oswaldo era gente como a gente. Foi pai e marido amoroso. Menino tímido. Professor de muitos. Adora doces. E não tem como não destacar o gestor ousado capaz de medidas impopulares, que não esmorecia frente à difamação.

Cadernos com relatos de orçamento e gastos da família, mantidos por Oswaldo Cruz. O primeiro, no alto à esquerda, é nomeado como “Livro da Verdade”, com anotações referentes aos primeiros tempos após o casamento. A anotação em página interna diz: “Nasci em 5 de agosto de 1872. Formei-me em 24 de dezembro de 1892. Casei-me em 5 de janeiro de 1893” (Acervo COC/Fiocruz).

Com o projeto é possível ver o lado detalhista e perseverante daquele que, já no segundo ano da Faculdade de Medicina, iniciou atividades de ajudante no Laboratório de Higiene da instituição, e a partir de então, não parou mais. Formou diversos cientistas para a saúde pública.

Despertar ‘sede de conhecimento’ entre os discípulos era uma das características destacáveis de Oswaldo Cruz, que tinha o hábito de ler tomando notas de tudo que considerava relevante. Com esse perfil, se dedicou a estudar os mais diferentes temas no campo da saúde. Fotos, documentos, anotações e desenhos que comprovam essa personalidade curiosa e estimulante também fazem parte do projeto.

O projeto ‘Oswaldo Inspira’ ainda apresenta documentos de valor singular, gentilmente cedidos pela Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). A partir de relatos de pessoas que conviveram diretamente com Oswaldo, é constituído um mosaico de aspectos que procura aproximar a população da figura multifacetada do homem guiado pelo lema de "fé eterna na sciencia".

Em destaque, os filhos de Oswaldo e Emília da Fonseca, Elisa e Bento, na época em que a família morou em Paris, na França. Esta foi a fase em que o cientista se dedicava aos estudos no Instituto Pasteur, entre 1897 e 1899. O próprio Oswaldo - um apaixonado por fotografia - que realizou o registro e montou o álbum com fotos da convivência familiar (Acervo COC/Fiocruz).

Documentos textuais e iconográficos, que incluem cartas, cadernos, livros, anotações, diplomas, premiações, recortes de jornais e fotografias, também compõem o projeto. Neste contexto, vale chamar atenção para o acervo inédito que estava sob guarda do neto de Oswaldo Cruz, o também médico Eduardo Oswaldo Cruz: álbuns que mostram a paixão do cientista pela fotografia.

As surpresas não param por aí. Ao navegar pelo hotsite é possível encontrar registros da temporada de Oswaldo Cruz com a família em Paris, na virada do século 19 para o século 20, em cenas do cotidiano fotografadas pelo próprio cientista.

Da infância ao ingresso e formação abreviada na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, passando pela atuação como diretor geral de Saúde Pública, primeiro presidente da Cruz Vermelha Brasileira, prefeito de Petrópolis e membro da Academia Nacional de Medicina, da Academia Brasileira de Letras e da renomada Sociedade de Patologia Exótica (França), o projeto faz um passeio pela vida e carreira do cientista, que não abriu mão de manter o princípio de fazer ciência direcionada para a realidade do Brasil.

Na imagem em preto e branco, um dos últimos retratos de Oswaldo Cruz, em Petrópolis (Acervo COC/Fiocruz). Ao fundo, imagem atual do Castelo Mourisco, em Manguinhos, no Rio de Janeiro, símbolo do Instituto e da Fundação que levam o seu nome (IOC/Fiocruz).

Por fim, em conjunto às galerias de imagens, infográficos e conteúdos sobre a biografia do cientista, o projeto ‘Oswaldo inspira’ conta com mais seções que traduzem um pouco da história e do legado do brasileiro que, de criticado devido à implementação de medidas impopulares de saúde pública, se converteu em um herói nacional.

Acesse o projeto ‘Oswaldo Inspira’ e confira todas as peculiaridades de Oswaldo.

Em celebração ao sesquicentenário do cientista, reedição do projeto ‘Oswaldo Inspira’ apresenta a vida e o legado do patrono do IOC como você nunca viu
Por: 
jornalismo

Se ainda fosse vivo, Oswaldo Cruz completaria um século e meio de vida no dia 5 de agosto. Diante do legado científico deixado por ele, que se tornou a personificação da própria saúde no país, sua data de nascimento foi instituída, em 1967, como Dia Nacional da Saúde. 

Tendo em vista a importância de Oswaldo para a Ciência e a Saúde, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) reedita o projeto ‘Oswaldo Inspira’, hotsite lançado originalmente em 2017, em alusão aos cem anos de morte do cientista, e atualizado, agora em 2022, para a celebração do sesquicentenário do visionário. 

A iniciativa conta com um mosaico de aspectos que permitem aproximar a sociedade da figura multifacetada do médico e sanitarista. Oswaldo era gente como a gente. Foi pai e marido amoroso. Menino tímido. Professor de muitos. Adora doces. E não tem como não destacar o gestor ousado capaz de medidas impopulares, que não esmorecia frente à difamação.

Cadernos com relatos de orçamento e gastos da família, mantidos por Oswaldo Cruz. O primeiro, no alto à esquerda, é nomeado como “Livro da Verdade”, com anotações referentes aos primeiros tempos após o casamento. A anotação em página interna diz: “Nasci em 5 de agosto de 1872. Formei-me em 24 de dezembro de 1892. Casei-me em 5 de janeiro de 1893” (Acervo COC/Fiocruz).

Com o projeto é possível ver o lado detalhista e perseverante daquele que, já no segundo ano da Faculdade de Medicina, iniciou atividades de ajudante no Laboratório de Higiene da instituição, e a partir de então, não parou mais. Formou diversos cientistas para a saúde pública.

Despertar ‘sede de conhecimento’ entre os discípulos era uma das características destacáveis de Oswaldo Cruz, que tinha o hábito de ler tomando notas de tudo que considerava relevante. Com esse perfil, se dedicou a estudar os mais diferentes temas no campo da saúde. Fotos, documentos, anotações e desenhos que comprovam essa personalidade curiosa e estimulante também fazem parte do projeto.

O projeto ‘Oswaldo Inspira’ ainda apresenta documentos de valor singular, gentilmente cedidos pela Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). A partir de relatos de pessoas que conviveram diretamente com Oswaldo, é constituído um mosaico de aspectos que procura aproximar a população da figura multifacetada do homem guiado pelo lema de "fé eterna na sciencia".

Em destaque, os filhos de Oswaldo e Emília da Fonseca, Elisa e Bento, na época em que a família morou em Paris, na França. Esta foi a fase em que o cientista se dedicava aos estudos no Instituto Pasteur, entre 1897 e 1899. O próprio Oswaldo - um apaixonado por fotografia - que realizou o registro e montou o álbum com fotos da convivência familiar (Acervo COC/Fiocruz).

Documentos textuais e iconográficos, que incluem cartas, cadernos, livros, anotações, diplomas, premiações, recortes de jornais e fotografias, também compõem o projeto. Neste contexto, vale chamar atenção para o acervo inédito que estava sob guarda do neto de Oswaldo Cruz, o também médico Eduardo Oswaldo Cruz: álbuns que mostram a paixão do cientista pela fotografia.

As surpresas não param por aí. Ao navegar pelo hotsite é possível encontrar registros da temporada de Oswaldo Cruz com a família em Paris, na virada do século 19 para o século 20, em cenas do cotidiano fotografadas pelo próprio cientista.

Da infância ao ingresso e formação abreviada na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, passando pela atuação como diretor geral de Saúde Pública, primeiro presidente da Cruz Vermelha Brasileira, prefeito de Petrópolis e membro da Academia Nacional de Medicina, da Academia Brasileira de Letras e da renomada Sociedade de Patologia Exótica (França), o projeto faz um passeio pela vida e carreira do cientista, que não abriu mão de manter o princípio de fazer ciência direcionada para a realidade do Brasil.

Na imagem em preto e branco, um dos últimos retratos de Oswaldo Cruz, em Petrópolis (Acervo COC/Fiocruz). Ao fundo, imagem atual do Castelo Mourisco, em Manguinhos, no Rio de Janeiro, símbolo do Instituto e da Fundação que levam o seu nome (IOC/Fiocruz).

Por fim, em conjunto às galerias de imagens, infográficos e conteúdos sobre a biografia do cientista, o projeto ‘Oswaldo inspira’ conta com mais seções que traduzem um pouco da história e do legado do brasileiro que, de criticado devido à implementação de medidas impopulares de saúde pública, se converteu em um herói nacional.

Acesse o projeto ‘Oswaldo Inspira’ e confira todas as peculiaridades de Oswaldo.

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)