Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Pesquisa identifica altos níveis de ansiedade e depressão em pós-graduandos durante a pandemia

Pesquisa identifica altos níveis de ansiedade e depressão em pós-graduandos durante a pandemia

Estudo entrevistou quase 6 mil estudantes. Mais de 80% tiveram que alterar projetos de pesquisa
Por Maíra Menezes17/11/2022 - Atualizado em 27/11/2022

Um estudo com quase 6 mil participantes, de todas as regiões do país, revela o alto impacto da pandemia de Covid-19 nas atividades acadêmicas e na saúde mental de estudantes de pós-graduação. 

Entre outros dados, a pesquisa aponta que 45% dos alunos foram diagnosticados com ansiedade generalizada e 17% com depressão durante o primeiro ano da pandemia.

Além disso, mais de 60% relataram crises de ansiedade e dificuldade para dormir. Falta de motivação e problemas de concentração foram reportados por quase 80%.

O estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), com participação de pesquisadores do IOC e da Universidade Federal Fluminense (UFF). Os resultados foram publicados em artigo na revista científica ‘International Journal of Educational Research Open’.

Dados do artigo 'The perceptions of Brazilian postgraduate students about the impact of COVID-19 on their well-being and academic performance' / Arte: Jefferson Mendes

Para a primeira autora do trabalho, Roberta Pires Corrêa, os dados evidenciam a situação de estresse enfrentada pelos discentes durante a pandemia.

“Os estudantes viveram incertezas, medo e perdas, no contexto estressante da pós-graduação, onde há muita pressão para ser produtivo e cumprir prazos. Um terço precisou procurar atendimento psicológico e uma pequena parcela, de quase 17%, usou medicamentos ansiolíticos ou antidepressivos sem prescrição”, pontua Roberta.

Com dados coletados entre outubro e dezembro de 2020, a pesquisa traçou um retrato do primeiro ano da emergência sanitária, quando as atividades presenciais foram totalmente suspensas nos cursos. 

Aproximadamente 80% dos alunos tiveram que alterar seus projetos de pesquisa, sendo que 9% mudaram complemente seus estudos, 35% fizeram alterações significativas e 37%, mudanças pequenas.

Além disso, os estudantes tiveram que se adaptar à nova realidade de reuniões virtuais com orientadores e de aulas remotas.

Autor sênior do trabalho, o pesquisador do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC, Paulo Soares Stephens, ressalta que os estudantes se mantiveram comprometidos com a trajetória acadêmica, apesar das dificuldades.

“Eles se mostraram aguerridos e criativos para readequar suas atividades. Porém, foram afetados com altos níveis de problemas de saúde mental”, avalia Paulo.

Importância do acolhimento

Entre os estudantes que buscaram apoio emocional, mais da metade se voltou para os amigos. Cerca de 15% procuraram seus orientadores. Apenas 1%, os comitês de apoio aos discentes.

A maioria dos estudantes também não buscou a coordenação do curso de pós-graduação e 5% disseram não ter recebido apoio, apesar da solicitação.

Autores da pesquisa, Paulo Stephens e Roberta Corrêa consideram que programas de pós-graduação devem manter serviços de acolhimento após a pandemia / Foto: IOC/Fiocruz

Segundo os pesquisadores, estudos anteriores à pandemia já mostravam que problemas de saúde mental são mais frequentes entre estudantes de pós-graduação do que na população em geral. A emergência sanitária agravou a situação, reforçando a importância de serviços de acolhimento.

“Cerca de 10% dos estudantes disseram que as coordenações dos cursos ofereceram apoio aos alunos através de programas específicos. Essas ações são imprescindíveis e os programas devem investir cada vez mais nelas”, ressalta Paulo.

“É importante que os cursos mantenham esses programas de forma contínua, para que os estudantes se sintam acolhidos e tenham confiança de que podem discutir questões de saúde mental sem preconceito”, enfatiza Roberta.

Perfil dos pós-graduandos

O estudo contou com a participação de 5.985 estudantes, que responderam um formulário online no período de outubro a dezembro de 2020. Do total, 94% estavam matriculados em cursos Stricto sensu, sendo 51% no mestrado e 43% no doutorado. Quase 6% eram alunos de cursos de especialização, chamados de Lato sensu.

No geral, o perfil dos respondentes reflete o dos estudantes de pós-graduação no país. A pesquisa alcançou todas as regiões e teve participação de alunos matriculados em cursos de diferentes áreas do conhecimento. Cerca de 50% dos respondentes eram jovens, com idade entre 18 e 30 anos; 70%, mulheres; e 30% homens.

O artigo publicado é parte da tese ‘A pandemia de Covid-19: impactos e desafios em comunidades acadêmicas e de saúde brasileiras’, defendida por Roberta Corrêa, no Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde do IOC. 

O projeto foi orientado pela professora Helena Carla Castro, chefe do Laboratório de Antibióticos, Bioquímica e Modelagem Molecular da Universidade Federal Fluminense (UFF), e coorientado por Paulo Stephens e Roberto Ferreira, pós-doutorando do IOC.

O trabalho também faz parte de um projeto de pesquisa mais amplo, sobre impactos da Covid-19 e do isolamento social, coordenado pela diretora do IOC, Tania Araujo-Jorge. Todos os pesquisadores são autores do artigo.

A pesquisa contou com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e UFF.

Ensino no IOC durante a pandemia

O IOC se empenhou em garantir a continuidade da formação de recursos humanos de excelência para a ciência e para o Sistema Único de Saúde (SUS), seguindo os protocolos sanitários recomendados pelas autoridades para preservar a saúde e a vida de discentes e docentes em meio à pandemia.

A transição para o ambiente virtual foi o primeiro desafio. Em março de 2020 foi realizada a primeira defesa de tese online e, progressivamente, outras atividades acadêmicas foram adaptadas ao formato, o que incluiu o processo seletivo para novas turmas de mestrado e doutorado. A oferta de disciplinas a distância teve início em julho daquele ano.

Eventos científicos online movimentaram o calendário acadêmico, com grande participação dos estudantes / Foto: Reprodução

Eventos importantes para a formação dos estudantes também migraram para o universo virtual. Entre os destaques, o Centro de Estudos do IOC, tradicional encontro semanal para debate de temas atuais e de relevância histórica para a ciência, e a Semana da Pós-graduação Stricto sensu, que reúne as atividades do Fórum de Integração dos Alunos, o Prêmio de Teses Alexandre Peixoto e a Jornada Jovens Talentos.

A partir da necessidade de suspensão das atividades acadêmicas baseadas em trabalhos de campo e experimentos laboratoriais, os programas de pós-graduação do IOC estenderam os prazos para qualificações e defesas de mestrado e doutorado por seis meses. 

Além disso, foi criado um fundo emergencial de bolsas para garantia da extensão do benefício para os estudantes que não conseguiram concluir sua titulação no período posterior aos primeiros seis meses de prorrogação de suas bolsas.

A diversidade de temas encontrados nas dezenas de estudos sobre a Covid-19 desenvolvidos nos programas de pós-graduação do IOC é mais uma demonstração do extenso engajamento institucional na resposta à pandemia. 

Discentes, egressos e docentes atuaram na linha de frente e produziram conhecimentos relevantes, tanto nos grandes centros, como em locais remotos e carentes do país.

Apoio aos estudantes na Fiocruz

Estudantes de pós-graduação da Fiocruz podem procurar o Centro de Apoio ao Discente (CAD), vinculado à Vice-Presidência de Educação Informação e Comunicação (VPEIC/Fiocruz), para diálogo e acolhimento. Entre outras atividades, o CAD oferece orientação a alunos e professores para resolução de problemas, escuta qualificada e encaminhamento para suporte psicológico ou social. O contato pode ser feito por telefone (21 3882-9066), email (cad@fiocruz.br) ou através de formulário online

O IOC conta também com a Comissão Interna de Valorização das Relações Interpessoais e Prevenção do Assédio, que promove ações de sensibilização sobre estes temas e busca acolher, escutar e auxiliar na resolução de conflitos, de forma privada e sigilosa. O contato com a Comissão é através do email: valorizacaodasrelacoes@ioc.fiocruz.br.

Estudo entrevistou quase 6 mil estudantes. Mais de 80% tiveram que alterar projetos de pesquisa
Por: 
maira

Um estudo com quase 6 mil participantes, de todas as regiões do país, revela o alto impacto da pandemia de Covid-19 nas atividades acadêmicas e na saúde mental de estudantes de pós-graduação. 

Entre outros dados, a pesquisa aponta que 45% dos alunos foram diagnosticados com ansiedade generalizada e 17% com depressão durante o primeiro ano da pandemia.

Além disso, mais de 60% relataram crises de ansiedade e dificuldade para dormir. Falta de motivação e problemas de concentração foram reportados por quase 80%.

O estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), com participação de pesquisadores do IOC e da Universidade Federal Fluminense (UFF). Os resultados foram publicados em artigo na revista científica ‘International Journal of Educational Research Open’.

Dados do artigo 'The perceptions of Brazilian postgraduate students about the impact of COVID-19 on their well-being and academic performance' / Arte: Jefferson Mendes

Para a primeira autora do trabalho, Roberta Pires Corrêa, os dados evidenciam a situação de estresse enfrentada pelos discentes durante a pandemia.

“Os estudantes viveram incertezas, medo e perdas, no contexto estressante da pós-graduação, onde há muita pressão para ser produtivo e cumprir prazos. Um terço precisou procurar atendimento psicológico e uma pequena parcela, de quase 17%, usou medicamentos ansiolíticos ou antidepressivos sem prescrição”, pontua Roberta.

Com dados coletados entre outubro e dezembro de 2020, a pesquisa traçou um retrato do primeiro ano da emergência sanitária, quando as atividades presenciais foram totalmente suspensas nos cursos. 

Aproximadamente 80% dos alunos tiveram que alterar seus projetos de pesquisa, sendo que 9% mudaram complemente seus estudos, 35% fizeram alterações significativas e 37%, mudanças pequenas.

Além disso, os estudantes tiveram que se adaptar à nova realidade de reuniões virtuais com orientadores e de aulas remotas.

Autor sênior do trabalho, o pesquisador do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC, Paulo Soares Stephens, ressalta que os estudantes se mantiveram comprometidos com a trajetória acadêmica, apesar das dificuldades.

“Eles se mostraram aguerridos e criativos para readequar suas atividades. Porém, foram afetados com altos níveis de problemas de saúde mental”, avalia Paulo.

Importância do acolhimento

Entre os estudantes que buscaram apoio emocional, mais da metade se voltou para os amigos. Cerca de 15% procuraram seus orientadores. Apenas 1%, os comitês de apoio aos discentes.

A maioria dos estudantes também não buscou a coordenação do curso de pós-graduação e 5% disseram não ter recebido apoio, apesar da solicitação.

Autores da pesquisa, Paulo Stephens e Roberta Corrêa consideram que programas de pós-graduação devem manter serviços de acolhimento após a pandemia / Foto: IOC/Fiocruz

Segundo os pesquisadores, estudos anteriores à pandemia já mostravam que problemas de saúde mental são mais frequentes entre estudantes de pós-graduação do que na população em geral. A emergência sanitária agravou a situação, reforçando a importância de serviços de acolhimento.

“Cerca de 10% dos estudantes disseram que as coordenações dos cursos ofereceram apoio aos alunos através de programas específicos. Essas ações são imprescindíveis e os programas devem investir cada vez mais nelas”, ressalta Paulo.

“É importante que os cursos mantenham esses programas de forma contínua, para que os estudantes se sintam acolhidos e tenham confiança de que podem discutir questões de saúde mental sem preconceito”, enfatiza Roberta.

Perfil dos pós-graduandos

O estudo contou com a participação de 5.985 estudantes, que responderam um formulário online no período de outubro a dezembro de 2020. Do total, 94% estavam matriculados em cursos Stricto sensu, sendo 51% no mestrado e 43% no doutorado. Quase 6% eram alunos de cursos de especialização, chamados de Lato sensu.

No geral, o perfil dos respondentes reflete o dos estudantes de pós-graduação no país. A pesquisa alcançou todas as regiões e teve participação de alunos matriculados em cursos de diferentes áreas do conhecimento. Cerca de 50% dos respondentes eram jovens, com idade entre 18 e 30 anos; 70%, mulheres; e 30% homens.

O artigo publicado é parte da tese ‘A pandemia de Covid-19: impactos e desafios em comunidades acadêmicas e de saúde brasileiras’, defendida por Roberta Corrêa, no Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde do IOC. 

O projeto foi orientado pela professora Helena Carla Castro, chefe do Laboratório de Antibióticos, Bioquímica e Modelagem Molecular da Universidade Federal Fluminense (UFF), e coorientado por Paulo Stephens e Roberto Ferreira, pós-doutorando do IOC.

O trabalho também faz parte de um projeto de pesquisa mais amplo, sobre impactos da Covid-19 e do isolamento social, coordenado pela diretora do IOC, Tania Araujo-Jorge. Todos os pesquisadores são autores do artigo.

A pesquisa contou com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e UFF.

Ensino no IOC durante a pandemia

O IOC se empenhou em garantir a continuidade da formação de recursos humanos de excelência para a ciência e para o Sistema Único de Saúde (SUS), seguindo os protocolos sanitários recomendados pelas autoridades para preservar a saúde e a vida de discentes e docentes em meio à pandemia.

A transição para o ambiente virtual foi o primeiro desafio. Em março de 2020 foi realizada a primeira defesa de tese online e, progressivamente, outras atividades acadêmicas foram adaptadas ao formato, o que incluiu o processo seletivo para novas turmas de mestrado e doutorado. A oferta de disciplinas a distância teve início em julho daquele ano.

Eventos científicos online movimentaram o calendário acadêmico, com grande participação dos estudantes / Foto: Reprodução

Eventos importantes para a formação dos estudantes também migraram para o universo virtual. Entre os destaques, o Centro de Estudos do IOC, tradicional encontro semanal para debate de temas atuais e de relevância histórica para a ciência, e a Semana da Pós-graduação Stricto sensu, que reúne as atividades do Fórum de Integração dos Alunos, o Prêmio de Teses Alexandre Peixoto e a Jornada Jovens Talentos.

A partir da necessidade de suspensão das atividades acadêmicas baseadas em trabalhos de campo e experimentos laboratoriais, os programas de pós-graduação do IOC estenderam os prazos para qualificações e defesas de mestrado e doutorado por seis meses. 

Além disso, foi criado um fundo emergencial de bolsas para garantia da extensão do benefício para os estudantes que não conseguiram concluir sua titulação no período posterior aos primeiros seis meses de prorrogação de suas bolsas.

A diversidade de temas encontrados nas dezenas de estudos sobre a Covid-19 desenvolvidos nos programas de pós-graduação do IOC é mais uma demonstração do extenso engajamento institucional na resposta à pandemia. 

Discentes, egressos e docentes atuaram na linha de frente e produziram conhecimentos relevantes, tanto nos grandes centros, como em locais remotos e carentes do país.

Apoio aos estudantes na Fiocruz

Estudantes de pós-graduação da Fiocruz podem procurar o Centro de Apoio ao Discente (CAD), vinculado à Vice-Presidência de Educação Informação e Comunicação (VPEIC/Fiocruz), para diálogo e acolhimento. Entre outras atividades, o CAD oferece orientação a alunos e professores para resolução de problemas, escuta qualificada e encaminhamento para suporte psicológico ou social. O contato pode ser feito por telefone (21 3882-9066), email (cad@fiocruz.br) ou através de formulário online

O IOC conta também com a Comissão Interna de Valorização das Relações Interpessoais e Prevenção do Assédio, que promove ações de sensibilização sobre estes temas e busca acolher, escutar e auxiliar na resolução de conflitos, de forma privada e sigilosa. O contato com a Comissão é através do email: valorizacaodasrelacoes@ioc.fiocruz.br.

Edição: 
Vinicius Ferreira

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)