Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Primeiro relato de meningoencefalite por fungo 'Penicillium chrysogenum' no Brasil

Primeiro relato de meningoencefalite por fungo 'Penicillium chrysogenum' no Brasil

Identificação da espécie foi realizada pelo Laboratório de Taxonomia, Bioquímica e Bioprospecção de Fungos do IOC
Por Max Gomes23/12/2022 - Atualizado em 11/01/2023

Um artigo liderado pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) relatou o primeiro caso no Brasil de meningoencefalite causada pelo fungo Penicillium chrysogenum. Raramente apontado como agente etiológico de doenças em humanos, o microrganismo provocou infecção grave no cérebro e meninges de uma paciente no município do Rio de Janeiro, levando-a a óbito. O relato foi publicado no periódico científico International Journal of Infectious Diseases.

O caso foi acompanhado no Hospital Naval Marcílio Dias, na Zona Norte da capital fluminense. Uma adolescente de 14 anos foi admitida no centro médico com dores de cabeça, fotofobia e vômito. De acordo com os exames, a jovem não apresentava comorbidades e aparentava possuir plena capacidade de reagir contra microrganismos patógenos.

A presença do fungo foi observada em análises do líquido cefalorraquidiano – substância que envolve o cérebro e a medula espinhal. As amostras foram enviadas para identificação taxonômica mais detalhada no Laboratório de Taxonomia, Bioquímica e Bioprospecção de Fungos do IOC.

A partir de metodologias fenotípicas, que envolvem a caracterização taxonômica, e técnicas moleculares, foi confirmado que o fungo encontrado pertencia à espécie Penicillium chrysogenum.

“Os quadros de meningoencefalite são comumente associados a infecções provocadas por bactérias ou por fungos do gênero Cryptococcus. Foi um espanto identificar que este caso estava relacionado ao Penicillium, e de uma espécie que ainda não tinha sido descrita no país como causadora dessa doença”, destaca Manoel Marques Evangelista de Oliveira, pesquisador do Laboratório do IOC e coordenador do artigo.


O 'P. chrysogenum' após sete dias de cultura. Imagem da esquerda apresenta a parte frontal do microrganismo, enquanto a imagem da direita mostra o seu reverso. Foto: Reprodução

Com a confirmação, os médicos do Marcílio Dias iniciaram o tratamento da jovem com duas classes de medicamentos antifúngicos. Apesar dos esforços, a paciente veio a óbito em decorrência de choque séptico e neurogênico. 

“A gravidade desse caso nos preocupa por ter ocorrido principalmente em uma paciente imunocompetente, pois pode significar que o P. chrysogenum tem um perfil de escape da resposta imunológica. O caso poderia ter tido uma evolução ainda mais rápida e complicada em pacientes com a imunidade comprometida, como pessoas com HIV/Aids ou em tratamento da Covid-19”, explica Manoel.

Para o pesquisador, o achado demonstra a necessidade de uma identificação rápida e precisa de agentes etiológicos e a importância de ampliar os estudos acerca de fungos patogênicos. 

“O nosso artigo serve de alerta para médicos considerarem mais constantemente os fungos em seus diagnósticos, como foi feito pelo Hospital Naval Marcílio Dias. Assim como vírus e bactérias, os fungos podem provocar diversas doenças. Porém, como não são muito lembrados, vários casos são tratados tardiamente ou passam despercebidos”, conclui Manoel.

A forma como a paciente foi infectada pelo P. chrysogenum não ficou evidente. Embora o fungo esteja amplamente distribuindo no ambiente, é mais comum encontra-lo em solos onde há matéria em decomposição, passagem de esgotos e obras.

Novos casos de infecções fúngicas

A publicação também destaca um aumento recente na incidência de infecções fúngicas no Sistema Nervoso Central humano. Entre as principais síndromes desencadeadas pelo contágio estão meningite, encefalite e elevação da pressão intracraniana.

“Esse aumento está relacionado ao crescimento, nas últimas duas décadas, do número de pessoas imunossuprimidas, ou seja, com baixa imunidade. Os motivos são diversos: pessoas que vivem com HIV/Aids, uso indiscriminado de medicamentos, casos de depressão e, mais recentemente, a Covid-19. Esses indivíduos estão propícios a contraírem infecções por fungos”, explica Manoel.

A maioria das ocorrências está relacionada a espécies do gênero Cryptococcus, que provocam meningite. A infecção geralmente ocorre pela inalação de esporos em poeiras de solos contaminados com excrementos de pombos.

“Os fungos que causam a criptococose estão amplamente difundidos no mundo. Mas também há outro fator que contribui para o grande número de casos relatados: a facilidade no diagnóstico. Diferentemente da maioria das infecções fúngicas, há testes rápidos para identificação das espécies de Cryptococcus, que permite a realização de um diagnóstico mais rápido e sem a necessidade de acionar um laboratório de micologia”, conta o pesquisador.

No entanto, o pesquisador acredita que o número pode ser ainda maior. 

“Casos podem estar apenas sendo subnotificados, pois há carência de profissionais especializados na área. É importante que haja troca constante entre laboratórios de micologia e hospitais”, afirma.

Outro fator frisado é a mudança de comportamento dos fungos devido às alterações climáticas. De acordo com o pesquisador, os fungos podem estar se adaptando às novas condições do ambiente e, muitos deles, passando a suportar temperaturas próximas ao do corpo humano, que se tornam hospedeiros desses microrganismos.

“Os fungos têm mecanismos de escape para essa questão de temperatura, adaptando-se para conseguir sobreviver em ambientes hostis. Sendo assim, as alterações no clima podem ter como consequência também o aumento de doenças nos seres humanos por fungos”, declara.

Colaboração

Desde a sua criação, o centenário Laboratório de Taxonomia, Bioquímica e Bioprospecção de Fungos do IOC (antes chamado de Laboratório de Micologia) tem colaborado com diversas instituições nacionais e estrangeiras no entendimento dos fungos. 

Atualmente, o Laboratório – um dos poucos especializados em taxonomia de fungos – presta serviços de identificação e autenticação de espécies, bem como o desenvolvimento de pesquisas associadas com assistência.

Identificação da espécie foi realizada pelo Laboratório de Taxonomia, Bioquímica e Bioprospecção de Fungos do IOC
Por: 
max.gomes

Um artigo liderado pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) relatou o primeiro caso no Brasil de meningoencefalite causada pelo fungo Penicillium chrysogenum. Raramente apontado como agente etiológico de doenças em humanos, o microrganismo provocou infecção grave no cérebro e meninges de uma paciente no município do Rio de Janeiro, levando-a a óbito. O relato foi publicado no periódico científico International Journal of Infectious Diseases.

O caso foi acompanhado no Hospital Naval Marcílio Dias, na Zona Norte da capital fluminense. Uma adolescente de 14 anos foi admitida no centro médico com dores de cabeça, fotofobia e vômito. De acordo com os exames, a jovem não apresentava comorbidades e aparentava possuir plena capacidade de reagir contra microrganismos patógenos.

A presença do fungo foi observada em análises do líquido cefalorraquidiano – substância que envolve o cérebro e a medula espinhal. As amostras foram enviadas para identificação taxonômica mais detalhada no Laboratório de Taxonomia, Bioquímica e Bioprospecção de Fungos do IOC.

A partir de metodologias fenotípicas, que envolvem a caracterização taxonômica, e técnicas moleculares, foi confirmado que o fungo encontrado pertencia à espécie Penicillium chrysogenum.

“Os quadros de meningoencefalite são comumente associados a infecções provocadas por bactérias ou por fungos do gênero Cryptococcus. Foi um espanto identificar que este caso estava relacionado ao Penicillium, e de uma espécie que ainda não tinha sido descrita no país como causadora dessa doença”, destaca Manoel Marques Evangelista de Oliveira, pesquisador do Laboratório do IOC e coordenador do artigo.


O 'P. chrysogenum' após sete dias de cultura. Imagem da esquerda apresenta a parte frontal do microrganismo, enquanto a imagem da direita mostra o seu reverso. Foto: Reprodução

Com a confirmação, os médicos do Marcílio Dias iniciaram o tratamento da jovem com duas classes de medicamentos antifúngicos. Apesar dos esforços, a paciente veio a óbito em decorrência de choque séptico e neurogênico. 

“A gravidade desse caso nos preocupa por ter ocorrido principalmente em uma paciente imunocompetente, pois pode significar que o P. chrysogenum tem um perfil de escape da resposta imunológica. O caso poderia ter tido uma evolução ainda mais rápida e complicada em pacientes com a imunidade comprometida, como pessoas com HIV/Aids ou em tratamento da Covid-19”, explica Manoel.

Para o pesquisador, o achado demonstra a necessidade de uma identificação rápida e precisa de agentes etiológicos e a importância de ampliar os estudos acerca de fungos patogênicos. 

“O nosso artigo serve de alerta para médicos considerarem mais constantemente os fungos em seus diagnósticos, como foi feito pelo Hospital Naval Marcílio Dias. Assim como vírus e bactérias, os fungos podem provocar diversas doenças. Porém, como não são muito lembrados, vários casos são tratados tardiamente ou passam despercebidos”, conclui Manoel.

A forma como a paciente foi infectada pelo P. chrysogenum não ficou evidente. Embora o fungo esteja amplamente distribuindo no ambiente, é mais comum encontra-lo em solos onde há matéria em decomposição, passagem de esgotos e obras.

Novos casos de infecções fúngicas

A publicação também destaca um aumento recente na incidência de infecções fúngicas no Sistema Nervoso Central humano. Entre as principais síndromes desencadeadas pelo contágio estão meningite, encefalite e elevação da pressão intracraniana.

“Esse aumento está relacionado ao crescimento, nas últimas duas décadas, do número de pessoas imunossuprimidas, ou seja, com baixa imunidade. Os motivos são diversos: pessoas que vivem com HIV/Aids, uso indiscriminado de medicamentos, casos de depressão e, mais recentemente, a Covid-19. Esses indivíduos estão propícios a contraírem infecções por fungos”, explica Manoel.

A maioria das ocorrências está relacionada a espécies do gênero Cryptococcus, que provocam meningite. A infecção geralmente ocorre pela inalação de esporos em poeiras de solos contaminados com excrementos de pombos.

“Os fungos que causam a criptococose estão amplamente difundidos no mundo. Mas também há outro fator que contribui para o grande número de casos relatados: a facilidade no diagnóstico. Diferentemente da maioria das infecções fúngicas, há testes rápidos para identificação das espécies de Cryptococcus, que permite a realização de um diagnóstico mais rápido e sem a necessidade de acionar um laboratório de micologia”, conta o pesquisador.

No entanto, o pesquisador acredita que o número pode ser ainda maior. 

“Casos podem estar apenas sendo subnotificados, pois há carência de profissionais especializados na área. É importante que haja troca constante entre laboratórios de micologia e hospitais”, afirma.

Outro fator frisado é a mudança de comportamento dos fungos devido às alterações climáticas. De acordo com o pesquisador, os fungos podem estar se adaptando às novas condições do ambiente e, muitos deles, passando a suportar temperaturas próximas ao do corpo humano, que se tornam hospedeiros desses microrganismos.

“Os fungos têm mecanismos de escape para essa questão de temperatura, adaptando-se para conseguir sobreviver em ambientes hostis. Sendo assim, as alterações no clima podem ter como consequência também o aumento de doenças nos seres humanos por fungos”, declara.

Colaboração

Desde a sua criação, o centenário Laboratório de Taxonomia, Bioquímica e Bioprospecção de Fungos do IOC (antes chamado de Laboratório de Micologia) tem colaborado com diversas instituições nacionais e estrangeiras no entendimento dos fungos. 

Atualmente, o Laboratório – um dos poucos especializados em taxonomia de fungos – presta serviços de identificação e autenticação de espécies, bem como o desenvolvimento de pesquisas associadas com assistência.

Edição: 
Vinicius Ferreira

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)

Tags: