Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.

vw_cabecalho_novo

Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Rede Nacional de Vigilância em Influenza define estratégias para capacitação de profissionais

Rede Nacional de Vigilância em Influenza define estratégias para capacitação de profissionais

Na última terça-feira, dia 3, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC) sediou reunião da rede nacional de vigilância em influenza (gripe) – o segundo encontro deste ano –, que teve como objetivo articular a rede de laboratórios nacionais que integram o sistema de vigilância da influenza pandêmica no Brasil. A realização de cursos de capacitação para profissionais de saúde atuando nos diversos laboratórios da rede foi o principal tema debatido.
Por Jornalismo IOC06/07/2007 - Atualizado em 10/12/2019

Na última terça-feira, dia 3, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC) sediou reunião da rede nacional de vigilância em influenza (gripe) – o segundo encontro deste ano –, que teve como objetivo articular a rede de laboratórios nacionais que integram o sistema de vigilância da influenza pandêmica no Brasil. A realização de cursos de capacitação para profissionais de saúde atuando nos diversos laboratórios da rede foi o principal tema debatido.

foto:Gutemberg Brito/IOC
"Estamos avaliando a possibilidade de implantar laboratórios de fronteira. Atualmente são 11 ou 12 com este perfil. Em pelo menos cinco, queremos ter laboratórios capacitados para o diagnóstico de influenza pandêmica, em áreas importantes, como na fronteira com a Venezuela”, reforçou Lígia Costa

O encontro, realizado no Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do IOC, que atua Centro de Referência Nacional em Influenza, contou com a participação de Lígia Maria Cantarino da Costa, responsável pela Rede de Laboratórios de Diagnóstico de Influenza do Ministério da Saúde; Terezinha Paiva, representante do laboratório de referência regional do Instituto Adolfo Lutz (SP); Wyller Alencar Mello, representante do laboratório de referência regional do Instituto Evandro Chagas (PA); além dos pesquisadores Marilda Siqueira, Paulo Roberto Stephans, Fernando Motta e Silvana Portes, que atuam no Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo.

“Diante do desafio de um diagnóstico rápido e eficiente para o vírus da influenza, o Ministério da Saúde está trabalhando para aprimorar vários aspectos nos critérios de vigilância”, afirmou Marilda, chefe do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do IOC. “Um dos aspectos é a Rede de Laboratórios Nacionais”, reforçou. “Nesta reunião, está em pauta a revisão do manual técnico de metodologia de diagnóstico de influenza para a rede de laboratórios”, Lígia completou.

Outra questão-chave do encontro foi a definição de um cronograma e do conteúdo dos cursos de capacitação em influenza, relacionando aspectos epidemiológicos e a dinâmica que envolve o diagnóstico do vírus. A Rede de Laboratórios de Diagnóstico de Influenza, que já contava com os três laboratórios representados na reunião de terça-feira, começou a ser ampliada no ano 2000, com a articulação promovida pelo Ministério da Saúde. Hoje está implantada em 25 laboratórios centrais (LACEN) e no Distrito Federal. Segundo Lígia Costa, há ainda mais dois centros colaboradores – na UFPR e UFES.

Marilda ressaltou que estes grupos precisam passar por capacitação constante. Para isso, é fundamental que a rede esteja articulada. “No ano passado, o Ministério da Saúde promoveu em parceira com o IOC um curso para capacitação de cinco desses LACENs, de cinco estados brasileiros para o diagnóstico de influenza H5. Estamos planejando uma nova capacitação, ainda neste semestre, para mais cinco estados”, Marilda adiantou. Segundo a pesquisadora do IOC, a capacitação é, em si, um desafio. “A capacitação é contínua, porque as tecnologias se aperfeiçoam e isso tem que ser repassado a todos os laboratórios da Rede.”

Ligia Costa acrescentou que, quando surge um caso suspeito, além do laboratório de referência nacional, todo o sistema de saúde deve estar preparado para lidar com o vírus da influenza. “A atuação tem de ser conjunta com a Secretaria de Saúde, o setor de vigilância e o hospital que recebe o caso suspeito. Todos têm de estar articulados para que essa informação seja ágil”, concluiu.

Gustavo Barreto
06/07/07

Na última terça-feira, dia 3, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC) sediou reunião da rede nacional de vigilância em influenza (gripe) – o segundo encontro deste ano –, que teve como objetivo articular a rede de laboratórios nacionais que integram o sistema de vigilância da influenza pandêmica no Brasil. A realização de cursos de capacitação para profissionais de saúde atuando nos diversos laboratórios da rede foi o principal tema debatido.
Por: 
jornalismo

Na última terça-feira, dia 3, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC) sediou reunião da rede nacional de vigilância em influenza (gripe) – o segundo encontro deste ano –, que teve como objetivo articular a rede de laboratórios nacionais que integram o sistema de vigilância da influenza pandêmica no Brasil. A realização de cursos de capacitação para profissionais de saúde atuando nos diversos laboratórios da rede foi o principal tema debatido.

foto:Gutemberg Brito/IOC

"Estamos avaliando a possibilidade de implantar laboratórios de fronteira. Atualmente são 11 ou 12 com este perfil. Em pelo menos cinco, queremos ter laboratórios capacitados para o diagnóstico de influenza pandêmica, em áreas importantes, como na fronteira com a Venezuela”, reforçou Lígia Costa

O encontro, realizado no Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do IOC, que atua Centro de Referência Nacional em Influenza, contou com a participação de Lígia Maria Cantarino da Costa, responsável pela Rede de Laboratórios de Diagnóstico de Influenza do Ministério da Saúde; Terezinha Paiva, representante do laboratório de referência regional do Instituto Adolfo Lutz (SP); Wyller Alencar Mello, representante do laboratório de referência regional do Instituto Evandro Chagas (PA); além dos pesquisadores Marilda Siqueira, Paulo Roberto Stephans, Fernando Motta e Silvana Portes, que atuam no Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo.

“Diante do desafio de um diagnóstico rápido e eficiente para o vírus da influenza, o Ministério da Saúde está trabalhando para aprimorar vários aspectos nos critérios de vigilância”, afirmou Marilda, chefe do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do IOC. “Um dos aspectos é a Rede de Laboratórios Nacionais”, reforçou. “Nesta reunião, está em pauta a revisão do manual técnico de metodologia de diagnóstico de influenza para a rede de laboratórios”, Lígia completou.

Outra questão-chave do encontro foi a definição de um cronograma e do conteúdo dos cursos de capacitação em influenza, relacionando aspectos epidemiológicos e a dinâmica que envolve o diagnóstico do vírus. A Rede de Laboratórios de Diagnóstico de Influenza, que já contava com os três laboratórios representados na reunião de terça-feira, começou a ser ampliada no ano 2000, com a articulação promovida pelo Ministério da Saúde. Hoje está implantada em 25 laboratórios centrais (LACEN) e no Distrito Federal. Segundo Lígia Costa, há ainda mais dois centros colaboradores – na UFPR e UFES.

Marilda ressaltou que estes grupos precisam passar por capacitação constante. Para isso, é fundamental que a rede esteja articulada. “No ano passado, o Ministério da Saúde promoveu em parceira com o IOC um curso para capacitação de cinco desses LACENs, de cinco estados brasileiros para o diagnóstico de influenza H5. Estamos planejando uma nova capacitação, ainda neste semestre, para mais cinco estados”, Marilda adiantou. Segundo a pesquisadora do IOC, a capacitação é, em si, um desafio. “A capacitação é contínua, porque as tecnologias se aperfeiçoam e isso tem que ser repassado a todos os laboratórios da Rede.”

Ligia Costa acrescentou que, quando surge um caso suspeito, além do laboratório de referência nacional, todo o sistema de saúde deve estar preparado para lidar com o vírus da influenza. “A atuação tem de ser conjunta com a Secretaria de Saúde, o setor de vigilância e o hospital que recebe o caso suspeito. Todos têm de estar articulados para que essa informação seja ágil”, concluiu.

Gustavo Barreto

06/07/07

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)