Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Impactos da tragédia no RS: especialista alerta para prevenção a piolhos em abrigos

Impactos da tragédia no RS: especialista alerta para prevenção a piolhos em abrigos

Aglomeração de pessoas pode facilitar a proliferação da pediculose. Recomendação é o uso diário de pente fino
Por Max Gomes20/06/2024 - Atualizado em 04/07/2024

Os piolhos são insetos minúsculos que há milhares de anos causam infestações em humanos, em todas as partes do mundo. Foto: Reprodução

Desde o final de abril, o estado do Rio Grande do Sul enfrenta os impactos da tragédia causada por severas enchentes que causaram mortes e deixaram milhares de pessoas sem ter onde morar. Dados divulgados pelo Governo Federal apontam que, atualmente, mais de 35 mil pessoas estão em abrigos temporários.

A aglomeração nesses ambientes deve ser acompanhada de perto pelas autoridades de saúde, pois possibilita a circulação de vírus respiratórios, gastrointestinais e verminoses.

Outra ocorrência bastante comum e que deve estar no radar dos profissionais da saúde e voluntários é a dispersão da pediculose (infestação por piolhos).

“Piolhos têm grande impacto na saúde pública, especialmente durante e após emergências. Sempre que pessoas precisam ficar em abrigos, surgem pequenos surtos”, alerta Júlio Vianna Barbosa, biólogo e pesquisador do Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Antigo conhecido da humanidade, o piolho é um inseto parasito que vive no cabelo. Sem asas e com pernas incapazes de saltar, sua transmissão se dá pelo contato direto ou pelo compartilhamento de itens pessoais, como bonés, escovas de cabelo e travesseiros.


Vídeo produzido pelo IOC traz várias orientações sobre piolho

O primeiro sintoma da pediculose é a intensa irritação atrás da orelha e na nuca, onde esses insetos costumam ficar concentrados por serem regiões quentes e úmidas. A coceira é proveniente da reação do organismo à picada do piolho para se alimentar de sangue.

“Além de combater a pediculose, é fundamental passar informação correta para combater o estigma. Qualquer pessoa pode pegar piolho, independentemente de gênero, etnia, higiene ou condição financeira”, enfatiza Júlio Barbosa.

Para dúvidas em relação à infestação por piolhos, o Instituto disponibiliza o Serviço de Fale Conosco, um canal de atendimento direto ao cidadão, no qual perguntas podem ser enviadas por meio de formulário eletrônico e serão respondidas por especialistas da área.

Confira abaixo entrevista com o especialista do IOC, que há mais de vinte anos atua na divulgação científica sobre piolhos:


Júlio recomenda apenas o uso diário de pente fino para combater a pediculose. Foto: Gutemberg Brito

• Por que os abrigos temporários são vulneráveis a infestações por piolhos?
A transmissão de ‘piolhos de cabeça’ ocorre primariamente por contato direto, quando há muita proximidade. Nos abrigos, há grande concentração de pessoas dormindo no mesmo ambiente e compartilhando itens pessoais, como vestimentas (boné, lenço, cachecol), roupas de cama (lençol, fronhas, cobertores) e banho (toalhas), além de objetos de higiene e beleza (pente comum e escova). É similar ao que acontece em escolas, onde alguma criança contrai piolho e acaba transmitindo para colegas de sala devido à proximidade e contato físico, já que brincam juntas e compartilham itens pessoais.

• A infestação de piolho está relacionada à falta de higiene?
A infestação por piolho não está relacionada à falta de higiene, condição financeira ou comportamento. Qualquer pessoa pode ter piolho, independentemente de gênero, etnia, higiene ou renda familiar. Uma pessoa que lava a cabeça todos os dias, por exemplo, também está sujeita à pediculose.

• Existe alguma forma de prevenir piolho em abrigos?
A principal recomendação é não compartilhar itens de uso pessoal. No entanto, em situações pós-catástrofes isso nem sempre é possível, já que muitas pessoas dependem de doações. Por isso, é fundamental que os responsáveis pelos abrigos fervam as roupas que chegarem por meio de doações para evitar a transmissão de parasitos, como piolho e sarna.

No âmbito individual, o uso diário de pente fino, preferencialmente de aço, é a melhor forma de tratar e prevenir a infestação de piolho. O uso de vinagre diluído em água — em proporções iguais — ajuda na remoção das lêndeas (como são popularmente chamados os ovos do piolho).

O ideal seria que, nessas situações de calamidade, os serviços de saúde pública distribuíssem pentes fino para a população desalojada e os responsáveis pelos abrigos promovessem mutirões para garantir o uso do pente.


As lêndeas são mais claras que os piolhos e ficam aderidas nos cabelos. Foto: Reprodução

• Quais são os tratamentos mais recomendados para pediculose?
Usar pente fino todos os dias é a ação mais eficaz, principalmente o de aço por causa da sua durabilidade e melhor higienização (podendo ser fervido para uso coletivo), além de ser mais eficiente na remoção das lêndeas.

Caso não tenha acesso ao pente de aço, o modelo de plástico também é eficaz, desde que os ‘dentes’ do pente não estejam danificados e a higienização após o uso seja feita corretamente com água e sabão.

Como complemento, a solução de vinagre e água (um copo de vinagre para um copo de água) ajuda a remover as lêndeas ao romper a proteína que as prende aos fios do cabelo.

• Como o pente fino deve ser usado? Funciona para todos os tipos de cabelo?
Deve-se criar o hábito de usar o pente fino todos os dias, desde o couro cabeludo até o final do comprimento do cabelo. Ele funciona em todos os tipos de cabelo, podendo ser passado nos fios com auxílio de creme ou condicionador.

• Depois de remover o piolho, como o inseto deve ser morto e descartado?
Após passar o pente fino, os piolhos e lêndeas retirados devem ser colocados em um recipiente de vidro com álcool líquido (teor 70%) ou na solução de vinagre. Eles não resistirão e irão morrer. Depois devem ser descartados em vasos sanitários. Outra estratégia é usar o pente fino durante o banho para que os insetos sejam levados junto com a água corrente, que também ocasionará a morte do inseto.


A coceira causada pela picada do piolho pode resultar em feridas no couro cabeludo, abrindo caminho para infecções oportunistas, principalmente bacterianas. Foto: Reprodução

• Existe medicamentos contra os piolhos?
Medicamentos de via oral podem não ser a melhor solução, pois, embora matem os piolhos quando forem se alimentar de sangue, não eliminam as lêndeas (que são os ovos). A pessoa fica sujeita a nova infestação. Além disso, o uso prolongado desses medicamentos pode causar efeitos colaterais, como comprometimento do fígado. Portanto, o uso do pente fino é a solução mais simples e eficaz para a remoção completa dos piolhos.

• Quais os riscos de utilizar tratamentos caseiros para combater piolhos?
Não deve ser utilizado nenhum produto sem a orientação de profissionais da área da saúde. É muito fácil encontrar por aí recomendações erradas, como o uso de venenos e inseticidas, que não são eficazes e podem ser extremamente tóxicos, podendo inclusive levar à morte. Novamente, a solução mais eficaz e barata continua sendo o uso do pente fino.

• Quais são os tipos de piolho?
Existem três tipos de piolho: de cabeça (piolho), de corpo (muquirana) e da região pubiana (chato). Apesar de estarem concentrados em regiões específicas nos corpos, eles podem transitar em diversas regiões. Vale destacar que o piolho de corpo é transmitido pelo compartilhamento de roupas. assim como ocorre com a sarna, pois a fêmea do inseto pode depositar seus ovos nesses objetos. Por isso, a importância de lavar e/ou ferver itens recebidos em doações.

Aglomeração de pessoas pode facilitar a proliferação da pediculose. Recomendação é o uso diário de pente fino
Por: 
max.gomes

Os piolhos são insetos minúsculos que há milhares de anos causam infestações em humanos, em todas as partes do mundo. Foto: Reprodução

Desde o final de abril, o estado do Rio Grande do Sul enfrenta os impactos da tragédia causada por severas enchentes que causaram mortes e deixaram milhares de pessoas sem ter onde morar. Dados divulgados pelo Governo Federal apontam que, atualmente, mais de 35 mil pessoas estão em abrigos temporários.

A aglomeração nesses ambientes deve ser acompanhada de perto pelas autoridades de saúde, pois possibilita a circulação de vírus respiratórios, gastrointestinais e verminoses.

Outra ocorrência bastante comum e que deve estar no radar dos profissionais da saúde e voluntários é a dispersão da pediculose (infestação por piolhos).

“Piolhos têm grande impacto na saúde pública, especialmente durante e após emergências. Sempre que pessoas precisam ficar em abrigos, surgem pequenos surtos”, alerta Júlio Vianna Barbosa, biólogo e pesquisador do Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Antigo conhecido da humanidade, o piolho é um inseto parasito que vive no cabelo. Sem asas e com pernas incapazes de saltar, sua transmissão se dá pelo contato direto ou pelo compartilhamento de itens pessoais, como bonés, escovas de cabelo e travesseiros.

Vídeo produzido pelo IOC traz várias orientações sobre piolho

O primeiro sintoma da pediculose é a intensa irritação atrás da orelha e na nuca, onde esses insetos costumam ficar concentrados por serem regiões quentes e úmidas. A coceira é proveniente da reação do organismo à picada do piolho para se alimentar de sangue.

“Além de combater a pediculose, é fundamental passar informação correta para combater o estigma. Qualquer pessoa pode pegar piolho, independentemente de gênero, etnia, higiene ou condição financeira”, enfatiza Júlio Barbosa.

Para dúvidas em relação à infestação por piolhos, o Instituto disponibiliza o Serviço de Fale Conosco, um canal de atendimento direto ao cidadão, no qual perguntas podem ser enviadas por meio de formulário eletrônico e serão respondidas por especialistas da área.

Confira abaixo entrevista com o especialista do IOC, que há mais de vinte anos atua na divulgação científica sobre piolhos:


Júlio recomenda apenas o uso diário de pente fino para combater a pediculose. Foto: Gutemberg Brito

• Por que os abrigos temporários são vulneráveis a infestações por piolhos?
A transmissão de ‘piolhos de cabeça’ ocorre primariamente por contato direto, quando há muita proximidade. Nos abrigos, há grande concentração de pessoas dormindo no mesmo ambiente e compartilhando itens pessoais, como vestimentas (boné, lenço, cachecol), roupas de cama (lençol, fronhas, cobertores) e banho (toalhas), além de objetos de higiene e beleza (pente comum e escova). É similar ao que acontece em escolas, onde alguma criança contrai piolho e acaba transmitindo para colegas de sala devido à proximidade e contato físico, já que brincam juntas e compartilham itens pessoais.

• A infestação de piolho está relacionada à falta de higiene?
A infestação por piolho não está relacionada à falta de higiene, condição financeira ou comportamento. Qualquer pessoa pode ter piolho, independentemente de gênero, etnia, higiene ou renda familiar. Uma pessoa que lava a cabeça todos os dias, por exemplo, também está sujeita à pediculose.

• Existe alguma forma de prevenir piolho em abrigos?
A principal recomendação é não compartilhar itens de uso pessoal. No entanto, em situações pós-catástrofes isso nem sempre é possível, já que muitas pessoas dependem de doações. Por isso, é fundamental que os responsáveis pelos abrigos fervam as roupas que chegarem por meio de doações para evitar a transmissão de parasitos, como piolho e sarna.

No âmbito individual, o uso diário de pente fino, preferencialmente de aço, é a melhor forma de tratar e prevenir a infestação de piolho. O uso de vinagre diluído em água — em proporções iguais — ajuda na remoção das lêndeas (como são popularmente chamados os ovos do piolho).

O ideal seria que, nessas situações de calamidade, os serviços de saúde pública distribuíssem pentes fino para a população desalojada e os responsáveis pelos abrigos promovessem mutirões para garantir o uso do pente.


As lêndeas são mais claras que os piolhos e ficam aderidas nos cabelos. Foto: Reprodução

• Quais são os tratamentos mais recomendados para pediculose?
Usar pente fino todos os dias é a ação mais eficaz, principalmente o de aço por causa da sua durabilidade e melhor higienização (podendo ser fervido para uso coletivo), além de ser mais eficiente na remoção das lêndeas.

Caso não tenha acesso ao pente de aço, o modelo de plástico também é eficaz, desde que os ‘dentes’ do pente não estejam danificados e a higienização após o uso seja feita corretamente com água e sabão.

Como complemento, a solução de vinagre e água (um copo de vinagre para um copo de água) ajuda a remover as lêndeas ao romper a proteína que as prende aos fios do cabelo.

• Como o pente fino deve ser usado? Funciona para todos os tipos de cabelo?
Deve-se criar o hábito de usar o pente fino todos os dias, desde o couro cabeludo até o final do comprimento do cabelo. Ele funciona em todos os tipos de cabelo, podendo ser passado nos fios com auxílio de creme ou condicionador.

• Depois de remover o piolho, como o inseto deve ser morto e descartado?
Após passar o pente fino, os piolhos e lêndeas retirados devem ser colocados em um recipiente de vidro com álcool líquido (teor 70%) ou na solução de vinagre. Eles não resistirão e irão morrer. Depois devem ser descartados em vasos sanitários. Outra estratégia é usar o pente fino durante o banho para que os insetos sejam levados junto com a água corrente, que também ocasionará a morte do inseto.


A coceira causada pela picada do piolho pode resultar em feridas no couro cabeludo, abrindo caminho para infecções oportunistas, principalmente bacterianas. Foto: Reprodução

• Existe medicamentos contra os piolhos?
Medicamentos de via oral podem não ser a melhor solução, pois, embora matem os piolhos quando forem se alimentar de sangue, não eliminam as lêndeas (que são os ovos). A pessoa fica sujeita a nova infestação. Além disso, o uso prolongado desses medicamentos pode causar efeitos colaterais, como comprometimento do fígado. Portanto, o uso do pente fino é a solução mais simples e eficaz para a remoção completa dos piolhos.

• Quais os riscos de utilizar tratamentos caseiros para combater piolhos?
Não deve ser utilizado nenhum produto sem a orientação de profissionais da área da saúde. É muito fácil encontrar por aí recomendações erradas, como o uso de venenos e inseticidas, que não são eficazes e podem ser extremamente tóxicos, podendo inclusive levar à morte. Novamente, a solução mais eficaz e barata continua sendo o uso do pente fino.

• Quais são os tipos de piolho?
Existem três tipos de piolho: de cabeça (piolho), de corpo (muquirana) e da região pubiana (chato). Apesar de estarem concentrados em regiões específicas nos corpos, eles podem transitar em diversas regiões. Vale destacar que o piolho de corpo é transmitido pelo compartilhamento de roupas. assim como ocorre com a sarna, pois a fêmea do inseto pode depositar seus ovos nesses objetos. Por isso, a importância de lavar e/ou ferver itens recebidos em doações.

Edição: 
Vinicius Ferreira
Raquel Aguiar

Foto de capa: Coleção de Artrópodes Vetores Ápteros de Importância em Saúde das Comunidades do IOC

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)