Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Pesquisa » Laboratórios » Laboratório de Investigação Cardiovascular (vigente até jan/23)

Laboratório de Investigação Cardiovascular (vigente até jan/23)

O Laboratório de Investigação Cardiovascular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi criado em 1992 por Eduardo Tibiriçá, médico anestesiologista e Doutor em Ciências na área de farmacologia cardiovascular.

O atual grupo é formado por uma equipe multidisciplinar que realiza pesquisa, inovação e ensino em ciências. O eixo central que norteia as pesquisas desenvolvidas é a compreensão da fisiologia, fisiopatologia, terapêutica e diagnóstico de doenças crônico não transmissíveis (DCNT´s) e infecciosas, incluindo as doenças metabólicas e cardiovasculares, o câncer, a doença de Chagas, a Covid-19 e doenças do neurodesenvolvimento.

O Laboratório realiza estudos pré-clínicos e clínicos buscando aprofundar o entendimento de mecanismos celulares e moleculares das doenças e na busca de novos alvos diagnósticos e terapêuticos. Alinhado à missão institucional, o grupo realiza também atividades de divulgação científica e promoção da saúde. 

 

Confira as linhas de pesquisa:

Doenças metabólicas, cardiovasculares, e desenvolvimento e programação fetal:

1. Desenvolvimento de modelos pré-clínicos para estudo de doenças cardiovasculares e metabólicas, incluindo, diabetes, síndrome metabólica, esteatose, esteatohepatite, e hipertensão arterial. 

2. Fisiopatologia das alterações cardíacas, hepáticas, renais e do tecido adiposo e da microcirculação em doenças metabólicas e cardiovasculares e suas complicações: mecanismos oxidativos, pró-inflamatórios e metabólicos. 

3. Mecanismos de ação de intervenções terapêuticas em doenças cardiovasculares e metabólicas: exercício físico, estatinas, hipoglicemiantes, análogos de vitamina B6, anti-hipertensivos. 

4. Papel do colesterol na progressão de doenças cardiovasculares e metabólicas incluindo a doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) e o diabetes. 

5. Investigação das ações cardiometabólicas da mesoterapia em roedores. 

6. Angiogênese e microcirculação feto-placentária em modelo experimental de pré-eclâmpsia induzido com L-NAME. 

7. Impacto do exercício físico na angiogênese e microcirculação feto-placentária em modelo experimental de pré-eclâmpsia. 


Câncer

1. Hepatocarcinoma: estabelecimento de modelo in vivo e busca in silico de alvos terapêuticos e/ou biomarcadores de progressão de doença.

2. Avaliar o papel do colesterol no desenvolvimento de carcinoma hepatocelular derivado de esteatohepatite não alcoólica e caracterizar as alterações microcirculatórias associadas ao tumor. 

3. Avatar do câncer de pulmão: exoma em modelo 3D de infecção pelo SARS-CoV-2 para busca de assinaturas de desfecho clínico. 

4. Identificando e acionando alvos moleculares em câncer para o desenvolvimento de terapias inovadoras. 

5. Estudos não clínicos de farmacocinética e segurança do composto In-Nano-5: Desenvolvimento pré-clínico para o tratamento de câncer de mama. 

6. Estratégia para identificação e validação de proteínas-alvo para o tratamento personalizado dos tumores de mama. 

7. Desenvolvimento de nanopartículas de segunda geração para o tratamento de tumores. 

8. Seleção e otimização de aptâmeros para o tratamento e diagnóstico diferencial de câncer de próstata e mama. 

9. Estratégia experimental para revelar a complexidade das redes moleculares para otimizar o tratamento do hepatocarcinoma. 


Transtornos do neurodesenvolvimento:

1. Avaliação do papel da disbiose entérica durante a gestação no neurodesenvolvimento da prole. 

2. Estudo do efeito do tratamento com prebióticos sobre a infecção com Toxoplasma gondii

3. Efeito do tratamento com prebiótico sobre o estresse comportamental induzido pela abstinência pela retirada de álcool. 


Pesquisa, desenvolvimento de novas tecnologias para diagnósticos:

1.Validação de um novo dispositivo médico (micro espectrômetro de bolso) para avaliação de grau de esteatose hepática associada à obesidade em modelo pré-clínico para fins de aplicação em terapêutica. 

Pesquisas clínicas: 

1. Efeitos pleiotrópicos, parasitários, cardíacos e imunomodulatórios da Amiodarona na doença de Chagas: terapia combinada com benznidazol e amiodarona in vitro e na cardiopatia chagásica experimental aguda e crônica em modelo murino. 

2. Determinação do impacto da esteatose elevada (>33%; grau 2-3) e tipo de esteatose (macro vs micro) do enxerto na sobrevivência, estado clínico e retorno às atividades de pacientes receptores de transplante hepático (ESTEATO Tx). 

3. Cortisol na interface estresse-obesidade no ELSA-Brasil: estudo populacional longitudinal da saúde do brasileiro. 

4. Produtos finais de glicação avançada: um potencial biomarcador de estratificação de risco para a doença hepática não gordurosa. 

5. Estudo prospectivo caso-controle do efeito imunomodulatório e anti-parasitário da amiodarona em uma coorte de pacientes com cardiopatia chagásica crônica atendidos no INI/Fiocruz. 

6. O impacto da classificação da doença hepática gordurosa (NAFLD vs MAFLD) em parâmetros de risco cardiovascular na população ELSA-BRASIL. 

7. Dores e disfunções orofaciais na Síndrome Pós Covid-19: Uma abordagem clínica. 

8. Desenvolvimento e validação de um teste de olfato para o diagnóstico de Covid-19. 

9. Validação de um novo dispositivo diagnóstico portátil (micro espectrômetro) para utilização na determinação do grau de esteatose hepática em tempo real em fígados disponibilizados para transplante. 

Educação:

1. Impacto da inserção de jovens do ensino médio na universidade através de cursos de férias na escolha da carreira profissional e ingresso no ensino superior. 

2. Papel da aprendizagem baseada em projetos sobre o letramento científico de jovens escolares e a escolha por carreiras científicas. 

3. Do micro ao macro: como as lentes transformaram a percepção de quem somos e onde estamos.