Portuguese English Spanish
Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black
This can help those with trouble processing rapid screen movements.
This loads a font easier to read for people with dyslexia.
Busca Avançada
Você está aqui: Notícias » Emoção e lançamentos marcam a celebração pelos 150 anos de Oswaldo Cruz

Emoção e lançamentos marcam a celebração pelos 150 anos de Oswaldo Cruz

Cerimônia de homenagem foi realizada em 5 de agosto, nascimento do cientista. Assista ao vídeo
Por Max Gomes, Maíra Menezes e Kadu Cayres05/08/2022 - Atualizado em 12/08/2022

 

Que Oswaldo Cruz e a história da ciência brasileira – e mundial – são metonimicamente ligados é fato indiscutível. E essa constatação foi patente durante as comemorações dos 150 anos de nascimento do cientista, realizada pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) nesta sexta-feira, 05 de agosto, data em que se celebra não apenas o aniversário do patrono do Instituto e da Fiocruz, mas, também, o Dia Nacional da Saúde, instituído em sua homenagem. 

A cerimônia, sessão especial do Centro de Estudos do IOC e atividade preparatória para o 7º Encontro do Instituto, foi realizada no auditório Emmanuel Dias, do Pavilhão Arthur Neiva, e transmitida ao vivo pelo canal IOC no YouTube. 

“É com muita alegria e emoção que vejo, após longo período de atividades remotas por conta da pandemia de Covid-19, esse auditório lotado de amigos e colegas de profissão para celebrar o sesquicentenário de nascimento do nosso patrono. Em nome da Diretoria, agradeço a todas as equipes que ajudaram a estruturar esse importante evento, celebrado no Dia Nacional da Saúde”, declarou Tania Araujo-Jorge, diretora do IOC, durante a mesa de abertura da solenidade.

Tania Araujo-Jorge e Nisia Trindade Lima, primeiras mulheres a liderarem o IOC e a Fiocruz, durante a cerimônia de abertura. Foto: Gutemberg Brito

Também presente à mesa, Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz, reforçou a importância de se reconhecer a dedicação das equipes que contribuíram para a realização do evento, e pontuou como um dos principais legados de Oswaldo Cruz, a construção da Fiocruz.

“No início da minha carreira, trouxe uma turma de estudantes para visitar o Castelo e, na ocasião, uma aluna perguntou: o que Oswaldo Cruz criou, descobriu? Respondi que ele foi responsável pela construção de tudo aquilo que ela estava vendo”, contou a presidente, reiterando que o maior legado deixado pelo patrono, na visão dela, é a Fundação. 

O evento também foi marcado pela inauguração simbólica da plataforma de acessibilidade do Pavilhão Arthur Neiva. A iniciativa ressalta o compromisso do Instituto, ao longo de suas gestões, em oferecer autonomia e segurança aos profissionais, estudantes e visitantes portadores de deficiência física. 

A solenidade contou com a presença do ex-diretor do IOC, José Paulo Gagliardi Leite, e do ex-vice-diretor de Ensino, Informação e Comunicação do IOC, Marcelo Alves Pinto, juntamente com Ademir Martins, atual vice-diretor de Ensino, Informação e Comunicação, e Norma Brandão, assessora da Vice-Diretoria de Ensino e chefe da Secretaria Acadêmica do Instituto.

“Em nome da Vice-Diretoria de Ensino, agradeço a todas as gestões anteriores, à Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e à Coordenação-Geral de Infraestrutura dos Campi (Cogic/Fiocruz) pela realização deste projeto que vem sendo tocado há muito tempo. Com ele, damos um passo à frente no cumprimento do Plano de Desenvolvimento Institucional da Educação da Fiocruz (PDIE), que, dentre as diretrizes, preconiza a realização de ações de promoção da acessibilidade física”, destacou Ademir Martins. 

Cartas para Oswaldo

A emoção tomou conta do auditório durante a primeira exibição do curta-metragem “Cartas para Oswaldo: o compromisso renovado com a saúde e a ciência”, elaborado pelo Departamento de Jornalismo e Comunicação (DEJOR/IOC) a partir de contribuições da comunidade do Instituto. Lançado durante o aniversário de 122 anos do IOC, o projeto consistiu em um convite aos profissionais e estudantes do Instituto para enviarem mensagens ao patrono. 

“Essa obra audiovisual é uma carta coletiva, que deixa evidente o fato de que Oswaldo vive. O vídeo está disponível no nosso site, assim como uma série de reportagens sobre o contexto em que Oswaldo Cruz nasceu, o pacote de figurinhas comemorativas da data e o projeto ‘Oswaldo Inspira’, que mostra aspectos humanos dessa figura magnífica que é nosso patrono”, comentou o vice-diretor de Ensino.

Inspiração além dos muros de Manguinhos

Na sequência, a reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Pires de Carvalho, iniciou a palestra “Oswaldo Vive e inspira o futuro” recordando o laço histórico entre o IOC e a UFRJ, estabelecido especialmente por Carlos Chagas Filho, que atuou nas duas instituições nos anos 1930 e 1940, levando para a Universidade o modelo de integração de ensino e pesquisa do IOC. 

“Vejam como o Instituto Oswaldo Cruz foi importante para que a UFRJ se tornasse a potência de produção científica que é hoje”, pontuou Denise.

Ela destacou o sucesso do modelo de pós-graduação estabelecido no Brasil, estruturado a partir dos anos 1960. Embora com origem muito mais recente do que em países da América do Norte e Europa, o sistema de ciência e tecnologia brasileiro apresenta resultados importantes, que se materializaram, por exemplo, no grande número de artigos publicados e na contribuição das universidades e centros de pesquisa do país para a resposta à Covid-19.

“Sonho com um Brasil que possa ter uma vacina nacional, desenvolvida na UFRJ e fabricada pela Fiocruz, para distribuir para países da África e da América do Sul que não têm capacidade de comprar vacinas. Acredito que esse também seria o sonho de Oswaldo Cruz”, disse a reitora, lembrando que, assim como ocorreu na Covid-19, a UFRJ está preparada para o enfrentamento ao vírus Monkeypox, em parceria com a Fiocruz.

O laço histórico entre o IOC e a UFRJ, estabelecido por Carlos Chagas Filho, foi destacado por Denise Pires de Carvalho, primeira reitora da maior Universidade do país. Foto: Gutemberg Brito

A expansão do ensino universitário e da pós-graduação nas últimas décadas também foi destacada como uma conquista. “Em 1972, a graduação no nosso país acontecia basicamente entre São Paulo e Rio de Janeiro e 67% dos estudos de pós-graduação brasileiros eram produzidos nos Estados Unidos. Em 2009, as universidades brasileiras passaram a ter 59 sedes, com 171 campi, e o Brasil deixou de ter zonas cinzentas de produção de conhecimento”, citou Denise.

“Relatório da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] mostra que o Brasil tem 0,2% de doutores na população, enquanto a média nos países da região é de 1,1%. Estamos cinco vezes abaixo desse índice”, ressaltou Denise.

No encerramento de sua fala, a reitora lembrou o discurso que proferiu durante a posse na Academia Nacional de Medicina do Rio de Janeiro, em junho, quando passou a ocupar a cadeira 68, cujo patrono é Oswaldo Cruz. “Vamos esperançar, porque Oswaldo vive e inspira nosso futuro”, concluiu, aplaudida de pé pela plateia no auditório.

Visões para o futuro do IOC

“O futuro aos olhos de Oswaldo: como o patrono pensaria as próximas décadas do Instituto?” A partir desta interrogação, ex-diretores do IOC e a atual diretora, eleita para o terceiro mandato, discutiram perspectivas e desafios para a Unidade.

A sessão teve a participação, presencial ou virtual, de Carlos Morel, Sergio Coutinho, Claudio Ribeiro, Renato Cordeiro, Wilson Savino, José Paulo Gagliardi Leite e Tania Araujo-Jorge.

Diretor entre 1985 e 1989, Morel lembrou a batalha enfrentada por Oswaldo Cruz para impor a vacinação contra a varíola, que desencadeou a revolta da vacina, em 1904.

“O movimento anticiência e antivacinas é o perigo grande de hoje. Também estamos enfrentando 'brain drain' [fuga de cérebros], com saída de pessoas sensacionais para o exterior. Estas são questões negativas, que Oswaldo Cruz lamentaria. Mas temos também coisas boas: o SUS e o sistema de ciência e tecnologia do país, que conseguiram responder à Covid-19”, ponderou.

À esquerda, Carlos Morel (gestão 1985 e 1989) e Sergio Coutinho (gestão 1989 a 1993), durante apresentação presencial. Foto: Gutemberg Brito

Sergio Coutinho, que esteve à frente do IOC de 1989 a 1993, recordou a prioridade de Oswaldo Cruz: a vida e a saúde do povo brasileiro.

“Ele hoje seria a mesma pessoa. Teria em mente as mesmas coisas: a vacinação, o risco de novas endemias, a preocupação com a possibilidade de outras pandemias pela destruição do meio ambiente e uma instituição preparada para enfrentar esses problemas. Acho que ele estaria feliz de ver aqui o legado dele, com uma instituição que trabalha para o bem da vida da população”, pontuou.

A formação dos estudantes do IOC em linha com a visão de Oswaldo Cruz sobre a ciência para a saúde da população brasileira foi destaca por Claudio Ribeiro.

“É preciso que os jovens sejam treinados com ideia de que somos discípulos de um homem que colocou sua vida a serviço da população do Brasil, sobretudo da mais vulnerável, e com a ideia de que somos uma instituição do Ministério da Saúde. Por isso, a informação sobre o SUS deve fazer parte dos programas de pós-graduação da nossa casa e estar em nossas mentes a cada vez que produzimos ciência”, salientou pesquisador, que dirigiu o IOC entre 1993 e 1995.

Renato Cordeiro ressaltou a importância da gestão participativa, citando a perspectiva do VII Encontro do IOC, e defendeu o reforço de investimentos na pesquisa, além da cooperação científica.

“O IOC e a Fiocruz têm que fortalecer investimentos em pesquisa básica, pois só assim a ciência consegue chegar a tecnologias revolucionárias, como as vacinas da Covid-19. A pesquisa em meio ambiente também deve ser prioridade porque futuras pandemias podem surgir das florestas. Acho que nosso patrono ia sugerir ainda o aumento na cooperação internacional”, ponderou o diretor no período de 2001 a 2005.

A importância do conhecimento científico de ponta e da atenção às desigualdades do país foi o foco da fala de Wilson Savino, que esteve à frente do IOC entre 2013 e 2017.

“Precisamos estar atentos continuadamente à evolução da biologia e da medicina, às descobertas e aos avanços tecnológicos, porque isso nos fará estar preparados para emergências, como vimos na Zika e na Covid-19. Não podemos esquecer que vivemos num país de extrema desigualdade social e nosso trabalho deve visar a qualidade de vida dos nossos cidadãos. Vamos para o futuro, erguidos e dizendo: viva Oswaldo Cruz”, afirmou.

José Paulo Leite (gestão 2017 a 2021) e Tania Araujo-Jorge (gestões 2005 a 2009; 2009 a 2013; 2021 a 2025), durante apresentação presencial. Foto: Gutemberg Brito

José Paulo Gagliardi Leite ressaltou a relevância das redes de pesquisa, os desafios na vacinação, o risco da diáspora de cientistas brasileiros e apontou caminhos no exemplo de Oswaldo Cruz.

“Ele era um visionário. Exemplo de simplicidade, de agregar pessoas, de olhar o coletivo e não o individual. Na gestão, compreendia o compromisso com a saúde, a visão holística, a saúde única e uma visão de futuro. Seguindo esse exemplo, precisamos construir um IOC, uma Fiocruz e uma Universidade cada vez melhores, com ciência, tecnologia e inovação para a nossa sociedade”, declarou o diretor que liderou o IOC de 2017 a 2021.

No seu terceiro mandato, a atual diretora do IOC corroborou as propostas dos demais ex-diretores. Tania Araujo-Jorge enfatizou a relevância de uma ciência mais criativa, solidária, cooperativa e feminina.

“Que nossa Fiocruz, nosso Instituto e todas as parcerias que temos sejam criativas e fortes, seguindo o exemplo e legado que Oswaldo Cruz deixou. Também sonho com um instituto mais feminino, pois hoje somos majoritariamente mulheres na Fiocruz e no IOC, mas ainda não é assim na gestão”, pontuou Tania, que apontou ainda a importância da integração da ciência com a sociedade. “Sonho com um Instituto sem muros, com portas abertas para nossa comunidade”, completou.

Parceria científica que inspira

Intitulado “Oswaldo e Chagas: o legado permanente da parceria e da colaboração”, o último bloco das comemorações pelos 150 anos de nascimento de Oswaldo Cruz teve como mote o vínculo entre o patrono do IOC e Carlos Chagas.

Iniciada em 1902, quando Chagas convida Oswaldo Cruz para orientá-lo em sua tese de doutorado, a parceria entre os dois grandes ícones da ciência brasileira é estreitada ainda mais nos anos seguintes, quando Oswaldo convoca Chagas para participar de uma campanha contra a malária, que posteriormente se desdobraria na descoberta do protozoário causador da doença, o Trypanosoma cruzi – nome escolhido por Chagas em homenagem ao seu orientador.

Para ilustrar essa amistosa relação, com foco no respeito e admiração compartilhados entre os pesquisadores, a chefe do Laboratório de Biologia das Interações do IOC, Joseli Lannes, compartilhou trechos de cartas escritas pelo próprio Carlos Chagas e por Henrique Aragão e Ezequiel dias, também alunos de Oswaldo.

“Ezequiel Dias definia Carlos Chagas como o mais amado dos discípulos de Oswaldo Cruz. E Carlos Chagas se referia a Oswaldo Cruz como ‘o mestre’”, destacou Joseli.

Joseli Lanes leu cartas escritas por pesquisadores do IOC. Foto: Gutemberg Brito

Em seguida, foram apresentadas as atividades da temática que ficarão expostas e abertas ao público entre 8 e 12 de agosto, das 9h às 16h, no hall do Pavilhão Leônidas Deane, no campus da Fiocruz, em Manguinhos. 

O primeiro destaque, inspirado na descoberta do Trypanosoma cruzi por Carlos Chagas, foi a experiência “Escape Room: O Enigma de Lassance”. Apresentado pelo chefe do Laboratório de Bioquímica de Tripanossomatídeos do IOC, Eduardo Caio Torres dos Santos, idealizador do projeto, juntamente com Marcio Mantuano Barradas, do mesmo Laboratório, o jogo interativo no formato de “sala de fuga” – em que os participantes precisam desvendar enigmas para escapar de um ambiente - utiliza elementos vividos pelo pesquisador durante sua ida a Lassance, no interior de Minas Gerais. 

Outro lançamento foi a abertura da exposição "A doença de Chagas da pré-história aos dias atuais". A iniciativa, desenvolvida inicialmente na Bolívia pela Universidad Mayor de San Simon, conta com diferentes painéis sobre a doença de Chagas, incluindo a sua presença desde a pré-história, revelada através de estudos em múmias latino-americanas. A curadoria é de Anunciata Sawada, pesquisadora do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC, juntamente com Sheila Maria Ferraz Mendonça de Souza, do Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP).

A mais antiga coleção biológica da Fiocruz também marcou presença na sessão. Iniciada pelo próprio Oswaldo Cruz, a partir da descrição da espécie Anopheles lutzii, a Coleção Entomológica do IOC (CEIOC) estará em exposição com algumas de suas gavetas de insetos, conforme apresentou o curador Marcio Félix, pesquisador do Laboratório de Biodiversidade Entomológica.

O último lançamento abordou a tecnologia social “Expresso Chagas 21”, desenvolvida pelo Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC. A atividade, que esteve em ação em 2019 no interior de Minas Gerais, faz, agora, uma parada especial no campus da Fiocruz. A iniciativa foi apresentada pela diretora Tania Araujo Jorge, idealizadora do projeto.

Entre 8 e 19 de agosto, um curso para capacitar equipes para implementarem a tecnologia social será ministrado virtualmente. Ao longo dos 10 encontros, os participantes aprenderão mais sobre os desafios da doença de Chagas (a partir de temas sobre epidemiologia, vigilância, diagnóstico, tratamento e pesquisa) e serão instruídos a mediar a exposição, conhecendo mais profundamente cada segmento da iniciativa.

Da esquerda pra direita: Eduardo Caio, Anunciata Sawada, Tania Araujo-Jorge e Marcio Felix. Foto: Gutemberg Brito

Memorial Covid-19

O encerramento da comemoração foi marcado pelo lançamento do Memorial Covid-19. A vice-diretora de Desenvolvimento Institucional e Gestão do IOC, Wania Santiago, apresentou o projeto e destacou a mobilização do Instituto, em diversas instâncias, para o enfrentamento da pandemia. 

“A nossa mensagem é para que esse tempo que nós atravessamos não seja esquecido. Reconhecer e reafirmar a nossa vocação de trabalhar em prol da ciência e assim salvar vidas”, pontuou. 

A vice-diretora adiantou que o IOC está em alinhamento com a Coordenação-geral de Infraestrutura dos Campi da Fiocruz para fazer a instalação da peça, em uma cerimônia de inauguração a ser marcada.

Wania Santiago durante a apresentação de memorial que reafirma o compromisso do IOC com a vida e saúde dos brasileiros. Foto: Gutemberg Brito
Cerimônia de homenagem foi realizada em 5 de agosto, nascimento do cientista. Assista ao vídeo
Por: 
max.gomes
maira
kadu

 

Que Oswaldo Cruz e a história da ciência brasileira – e mundial – são metonimicamente ligados é fato indiscutível. E essa constatação foi patente durante as comemorações dos 150 anos de nascimento do cientista, realizada pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) nesta sexta-feira, 05 de agosto, data em que se celebra não apenas o aniversário do patrono do Instituto e da Fiocruz, mas, também, o Dia Nacional da Saúde, instituído em sua homenagem. 

A cerimônia, sessão especial do Centro de Estudos do IOC e atividade preparatória para o 7º Encontro do Instituto, foi realizada no auditório Emmanuel Dias, do Pavilhão Arthur Neiva, e transmitida ao vivo pelo canal IOC no YouTube. 

“É com muita alegria e emoção que vejo, após longo período de atividades remotas por conta da pandemia de Covid-19, esse auditório lotado de amigos e colegas de profissão para celebrar o sesquicentenário de nascimento do nosso patrono. Em nome da Diretoria, agradeço a todas as equipes que ajudaram a estruturar esse importante evento, celebrado no Dia Nacional da Saúde”, declarou Tania Araujo-Jorge, diretora do IOC, durante a mesa de abertura da solenidade.

Tania Araujo-Jorge e Nisia Trindade Lima, primeiras mulheres a liderarem o IOC e a Fiocruz, durante a cerimônia de abertura. Foto: Gutemberg Brito

Também presente à mesa, Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz, reforçou a importância de se reconhecer a dedicação das equipes que contribuíram para a realização do evento, e pontuou como um dos principais legados de Oswaldo Cruz, a construção da Fiocruz.

“No início da minha carreira, trouxe uma turma de estudantes para visitar o Castelo e, na ocasião, uma aluna perguntou: o que Oswaldo Cruz criou, descobriu? Respondi que ele foi responsável pela construção de tudo aquilo que ela estava vendo”, contou a presidente, reiterando que o maior legado deixado pelo patrono, na visão dela, é a Fundação. 

O evento também foi marcado pela inauguração simbólica da plataforma de acessibilidade do Pavilhão Arthur Neiva. A iniciativa ressalta o compromisso do Instituto, ao longo de suas gestões, em oferecer autonomia e segurança aos profissionais, estudantes e visitantes portadores de deficiência física. 

A solenidade contou com a presença do ex-diretor do IOC, José Paulo Gagliardi Leite, e do ex-vice-diretor de Ensino, Informação e Comunicação do IOC, Marcelo Alves Pinto, juntamente com Ademir Martins, atual vice-diretor de Ensino, Informação e Comunicação, e Norma Brandão, assessora da Vice-Diretoria de Ensino e chefe da Secretaria Acadêmica do Instituto.

“Em nome da Vice-Diretoria de Ensino, agradeço a todas as gestões anteriores, à Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e à Coordenação-Geral de Infraestrutura dos Campi (Cogic/Fiocruz) pela realização deste projeto que vem sendo tocado há muito tempo. Com ele, damos um passo à frente no cumprimento do Plano de Desenvolvimento Institucional da Educação da Fiocruz (PDIE), que, dentre as diretrizes, preconiza a realização de ações de promoção da acessibilidade física”, destacou Ademir Martins. 

Cartas para Oswaldo

A emoção tomou conta do auditório durante a primeira exibição do curta-metragem “Cartas para Oswaldo: o compromisso renovado com a saúde e a ciência”, elaborado pelo Departamento de Jornalismo e Comunicação (DEJOR/IOC) a partir de contribuições da comunidade do Instituto. Lançado durante o aniversário de 122 anos do IOC, o projeto consistiu em um convite aos profissionais e estudantes do Instituto para enviarem mensagens ao patrono. 

“Essa obra audiovisual é uma carta coletiva, que deixa evidente o fato de que Oswaldo vive. O vídeo está disponível no nosso site, assim como uma série de reportagens sobre o contexto em que Oswaldo Cruz nasceu, o pacote de figurinhas comemorativas da data e o projeto ‘Oswaldo Inspira’, que mostra aspectos humanos dessa figura magnífica que é nosso patrono”, comentou o vice-diretor de Ensino.

Inspiração além dos muros de Manguinhos

Na sequência, a reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Pires de Carvalho, iniciou a palestra “Oswaldo Vive e inspira o futuro” recordando o laço histórico entre o IOC e a UFRJ, estabelecido especialmente por Carlos Chagas Filho, que atuou nas duas instituições nos anos 1930 e 1940, levando para a Universidade o modelo de integração de ensino e pesquisa do IOC. 

“Vejam como o Instituto Oswaldo Cruz foi importante para que a UFRJ se tornasse a potência de produção científica que é hoje”, pontuou Denise.

Ela destacou o sucesso do modelo de pós-graduação estabelecido no Brasil, estruturado a partir dos anos 1960. Embora com origem muito mais recente do que em países da América do Norte e Europa, o sistema de ciência e tecnologia brasileiro apresenta resultados importantes, que se materializaram, por exemplo, no grande número de artigos publicados e na contribuição das universidades e centros de pesquisa do país para a resposta à Covid-19.

“Sonho com um Brasil que possa ter uma vacina nacional, desenvolvida na UFRJ e fabricada pela Fiocruz, para distribuir para países da África e da América do Sul que não têm capacidade de comprar vacinas. Acredito que esse também seria o sonho de Oswaldo Cruz”, disse a reitora, lembrando que, assim como ocorreu na Covid-19, a UFRJ está preparada para o enfrentamento ao vírus Monkeypox, em parceria com a Fiocruz.

O laço histórico entre o IOC e a UFRJ, estabelecido por Carlos Chagas Filho, foi destacado por Denise Pires de Carvalho, primeira reitora da maior Universidade do país. Foto: Gutemberg Brito

A expansão do ensino universitário e da pós-graduação nas últimas décadas também foi destacada como uma conquista. “Em 1972, a graduação no nosso país acontecia basicamente entre São Paulo e Rio de Janeiro e 67% dos estudos de pós-graduação brasileiros eram produzidos nos Estados Unidos. Em 2009, as universidades brasileiras passaram a ter 59 sedes, com 171 campi, e o Brasil deixou de ter zonas cinzentas de produção de conhecimento”, citou Denise.

“Relatório da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] mostra que o Brasil tem 0,2% de doutores na população, enquanto a média nos países da região é de 1,1%. Estamos cinco vezes abaixo desse índice”, ressaltou Denise.

No encerramento de sua fala, a reitora lembrou o discurso que proferiu durante a posse na Academia Nacional de Medicina do Rio de Janeiro, em junho, quando passou a ocupar a cadeira 68, cujo patrono é Oswaldo Cruz. “Vamos esperançar, porque Oswaldo vive e inspira nosso futuro”, concluiu, aplaudida de pé pela plateia no auditório.

Visões para o futuro do IOC

“O futuro aos olhos de Oswaldo: como o patrono pensaria as próximas décadas do Instituto?” A partir desta interrogação, ex-diretores do IOC e a atual diretora, eleita para o terceiro mandato, discutiram perspectivas e desafios para a Unidade.

A sessão teve a participação, presencial ou virtual, de Carlos Morel, Sergio Coutinho, Claudio Ribeiro, Renato Cordeiro, Wilson Savino, José Paulo Gagliardi Leite e Tania Araujo-Jorge.

Diretor entre 1985 e 1989, Morel lembrou a batalha enfrentada por Oswaldo Cruz para impor a vacinação contra a varíola, que desencadeou a revolta da vacina, em 1904.

“O movimento anticiência e antivacinas é o perigo grande de hoje. Também estamos enfrentando 'brain drain' [fuga de cérebros], com saída de pessoas sensacionais para o exterior. Estas são questões negativas, que Oswaldo Cruz lamentaria. Mas temos também coisas boas: o SUS e o sistema de ciência e tecnologia do país, que conseguiram responder à Covid-19”, ponderou.

À esquerda, Carlos Morel (gestão 1985 e 1989) e Sergio Coutinho (gestão 1989 a 1993), durante apresentação presencial. Foto: Gutemberg Brito

Sergio Coutinho, que esteve à frente do IOC de 1989 a 1993, recordou a prioridade de Oswaldo Cruz: a vida e a saúde do povo brasileiro.

“Ele hoje seria a mesma pessoa. Teria em mente as mesmas coisas: a vacinação, o risco de novas endemias, a preocupação com a possibilidade de outras pandemias pela destruição do meio ambiente e uma instituição preparada para enfrentar esses problemas. Acho que ele estaria feliz de ver aqui o legado dele, com uma instituição que trabalha para o bem da vida da população”, pontuou.

A formação dos estudantes do IOC em linha com a visão de Oswaldo Cruz sobre a ciência para a saúde da população brasileira foi destaca por Claudio Ribeiro.

“É preciso que os jovens sejam treinados com ideia de que somos discípulos de um homem que colocou sua vida a serviço da população do Brasil, sobretudo da mais vulnerável, e com a ideia de que somos uma instituição do Ministério da Saúde. Por isso, a informação sobre o SUS deve fazer parte dos programas de pós-graduação da nossa casa e estar em nossas mentes a cada vez que produzimos ciência”, salientou pesquisador, que dirigiu o IOC entre 1993 e 1995.

Renato Cordeiro ressaltou a importância da gestão participativa, citando a perspectiva do VII Encontro do IOC, e defendeu o reforço de investimentos na pesquisa, além da cooperação científica.

“O IOC e a Fiocruz têm que fortalecer investimentos em pesquisa básica, pois só assim a ciência consegue chegar a tecnologias revolucionárias, como as vacinas da Covid-19. A pesquisa em meio ambiente também deve ser prioridade porque futuras pandemias podem surgir das florestas. Acho que nosso patrono ia sugerir ainda o aumento na cooperação internacional”, ponderou o diretor no período de 2001 a 2005.

A importância do conhecimento científico de ponta e da atenção às desigualdades do país foi o foco da fala de Wilson Savino, que esteve à frente do IOC entre 2013 e 2017.

“Precisamos estar atentos continuadamente à evolução da biologia e da medicina, às descobertas e aos avanços tecnológicos, porque isso nos fará estar preparados para emergências, como vimos na Zika e na Covid-19. Não podemos esquecer que vivemos num país de extrema desigualdade social e nosso trabalho deve visar a qualidade de vida dos nossos cidadãos. Vamos para o futuro, erguidos e dizendo: viva Oswaldo Cruz”, afirmou.

José Paulo Leite (gestão 2017 a 2021) e Tania Araujo-Jorge (gestões 2005 a 2009; 2009 a 2013; 2021 a 2025), durante apresentação presencial. Foto: Gutemberg Brito

José Paulo Gagliardi Leite ressaltou a relevância das redes de pesquisa, os desafios na vacinação, o risco da diáspora de cientistas brasileiros e apontou caminhos no exemplo de Oswaldo Cruz.

“Ele era um visionário. Exemplo de simplicidade, de agregar pessoas, de olhar o coletivo e não o individual. Na gestão, compreendia o compromisso com a saúde, a visão holística, a saúde única e uma visão de futuro. Seguindo esse exemplo, precisamos construir um IOC, uma Fiocruz e uma Universidade cada vez melhores, com ciência, tecnologia e inovação para a nossa sociedade”, declarou o diretor que liderou o IOC de 2017 a 2021.

No seu terceiro mandato, a atual diretora do IOC corroborou as propostas dos demais ex-diretores. Tania Araujo-Jorge enfatizou a relevância de uma ciência mais criativa, solidária, cooperativa e feminina.

“Que nossa Fiocruz, nosso Instituto e todas as parcerias que temos sejam criativas e fortes, seguindo o exemplo e legado que Oswaldo Cruz deixou. Também sonho com um instituto mais feminino, pois hoje somos majoritariamente mulheres na Fiocruz e no IOC, mas ainda não é assim na gestão”, pontuou Tania, que apontou ainda a importância da integração da ciência com a sociedade. “Sonho com um Instituto sem muros, com portas abertas para nossa comunidade”, completou.

Parceria científica que inspira

Intitulado “Oswaldo e Chagas: o legado permanente da parceria e da colaboração”, o último bloco das comemorações pelos 150 anos de nascimento de Oswaldo Cruz teve como mote o vínculo entre o patrono do IOC e Carlos Chagas.

Iniciada em 1902, quando Chagas convida Oswaldo Cruz para orientá-lo em sua tese de doutorado, a parceria entre os dois grandes ícones da ciência brasileira é estreitada ainda mais nos anos seguintes, quando Oswaldo convoca Chagas para participar de uma campanha contra a malária, que posteriormente se desdobraria na descoberta do protozoário causador da doença, o Trypanosoma cruzi – nome escolhido por Chagas em homenagem ao seu orientador.

Para ilustrar essa amistosa relação, com foco no respeito e admiração compartilhados entre os pesquisadores, a chefe do Laboratório de Biologia das Interações do IOC, Joseli Lannes, compartilhou trechos de cartas escritas pelo próprio Carlos Chagas e por Henrique Aragão e Ezequiel dias, também alunos de Oswaldo.

“Ezequiel Dias definia Carlos Chagas como o mais amado dos discípulos de Oswaldo Cruz. E Carlos Chagas se referia a Oswaldo Cruz como ‘o mestre’”, destacou Joseli.

Joseli Lanes leu cartas escritas por pesquisadores do IOC. Foto: Gutemberg Brito

Em seguida, foram apresentadas as atividades da temática que ficarão expostas e abertas ao público entre 8 e 12 de agosto, das 9h às 16h, no hall do Pavilhão Leônidas Deane, no campus da Fiocruz, em Manguinhos. 

O primeiro destaque, inspirado na descoberta do Trypanosoma cruzi por Carlos Chagas, foi a experiência “Escape Room: O Enigma de Lassance”. Apresentado pelo chefe do Laboratório de Bioquímica de Tripanossomatídeos do IOC, Eduardo Caio Torres dos Santos, idealizador do projeto, juntamente com Marcio Mantuano Barradas, do mesmo Laboratório, o jogo interativo no formato de “sala de fuga” – em que os participantes precisam desvendar enigmas para escapar de um ambiente - utiliza elementos vividos pelo pesquisador durante sua ida a Lassance, no interior de Minas Gerais. 

Outro lançamento foi a abertura da exposição "A doença de Chagas da pré-história aos dias atuais". A iniciativa, desenvolvida inicialmente na Bolívia pela Universidad Mayor de San Simon, conta com diferentes painéis sobre a doença de Chagas, incluindo a sua presença desde a pré-história, revelada através de estudos em múmias latino-americanas. A curadoria é de Anunciata Sawada, pesquisadora do Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC, juntamente com Sheila Maria Ferraz Mendonça de Souza, do Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP).

A mais antiga coleção biológica da Fiocruz também marcou presença na sessão. Iniciada pelo próprio Oswaldo Cruz, a partir da descrição da espécie Anopheles lutzii, a Coleção Entomológica do IOC (CEIOC) estará em exposição com algumas de suas gavetas de insetos, conforme apresentou o curador Marcio Félix, pesquisador do Laboratório de Biodiversidade Entomológica.

O último lançamento abordou a tecnologia social “Expresso Chagas 21”, desenvolvida pelo Laboratório de Inovações em Terapias, Ensino e Bioprodutos do IOC. A atividade, que esteve em ação em 2019 no interior de Minas Gerais, faz, agora, uma parada especial no campus da Fiocruz. A iniciativa foi apresentada pela diretora Tania Araujo Jorge, idealizadora do projeto.

Entre 8 e 19 de agosto, um curso para capacitar equipes para implementarem a tecnologia social será ministrado virtualmente. Ao longo dos 10 encontros, os participantes aprenderão mais sobre os desafios da doença de Chagas (a partir de temas sobre epidemiologia, vigilância, diagnóstico, tratamento e pesquisa) e serão instruídos a mediar a exposição, conhecendo mais profundamente cada segmento da iniciativa.

Da esquerda pra direita: Eduardo Caio, Anunciata Sawada, Tania Araujo-Jorge e Marcio Felix. Foto: Gutemberg Brito

Memorial Covid-19

O encerramento da comemoração foi marcado pelo lançamento do Memorial Covid-19. A vice-diretora de Desenvolvimento Institucional e Gestão do IOC, Wania Santiago, apresentou o projeto e destacou a mobilização do Instituto, em diversas instâncias, para o enfrentamento da pandemia. 

“A nossa mensagem é para que esse tempo que nós atravessamos não seja esquecido. Reconhecer e reafirmar a nossa vocação de trabalhar em prol da ciência e assim salvar vidas”, pontuou. 

A vice-diretora adiantou que o IOC está em alinhamento com a Coordenação-geral de Infraestrutura dos Campi da Fiocruz para fazer a instalação da peça, em uma cerimônia de inauguração a ser marcada.

Wania Santiago durante a apresentação de memorial que reafirma o compromisso do IOC com a vida e saúde dos brasileiros. Foto: Gutemberg Brito
Edição: 
Vinicius Ferreira

Permitida a reprodução sem fins lucrativos do texto desde que citada a fonte (Comunicação / Instituto Oswaldo Cruz)